Covid-19: Portugal com mais 13 mortos, 418 novas infeções e 335 recuperados

Data:

Portugal regista hoje mais 13 óbitos por covid-19, em relação a quarta-feira, e mais 418 casos de infeção confirmados, dos quais 328 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).
De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia é agora de 1.644 e o total de casos confirmados é de 45.277.
Em termos percentuais, o aumento do número de óbitos foi de 0,8% (passou de 1.631 para 1.644) e o aumento do número de infetados foi de 0,9% (de 44.859 para 45.277).
Os 13 óbitos registados nas últimas 24 horas foram todos na Região de Lisboa e Vale do Tejo: 12 infetados com 80 ou mais anos e um óbito de uma pessoa entre os 50 e os 59 anos.
A DGS regista menos 25 pessoas internadas nas últimas 24 horas e são agora 487. Nos cuidados intensivos há menos uma pessoa internada, sendo agora 73.
Lisboa e Vale do Tejo, com 21.584 infetados, permanece como a região onde se regista o maior número de novos casos, 328 nas últimas 24 horas.
O boletim volta a referir que cerca de 200 casos continuam ainda por incluir no total na Região de Lisboa e Vale do Tejo, referentes a testes realizados por um laboratório privado que em três dias da semana passada não os registou no sistema para o efeito, estando a sua distribuição ainda a ser analisada pelas autoridades de saúde.
Depois de Lisboa e Vale do Tejo surge a Região Norte (17.957 casos), a Região Centro (4.245), o Algarve (com 683 casos) e o Alentejo (562). Os Açores têm 151 infetados e a Madeira 95 casos.
Há no país 11 concelhos com mais de 1.000 casos de doentes infetados, uma lista liderada por Lisboa (3.645), seguida de Sintra (2.850) e de Loures (1.910).
Os números relativos aos concelhos não sofreram alterações esta semana, uma situação explicada no boletim de hoje que indica que ainda não foi feita a atualização, porque a DGS está a verificar “todos os dados com as autoridades locais e regionais de saúde” e espera ter esta tarefa “concluída nos próximos dias”.
Quanto aos óbitos, a região com maior número continua a ser o Norte (821, o mesmo número de quarta-feira), seguida de Lisboa e Vale do Tejo (527, mais 13 do que na quarta-feira), da região Centro (248, sem alterações), do Alentejo (18, sem alterações) e do Algarve e Açores, com os mesmos 15 mortos cada em relação a quarta-feira.
Por faixas etárias, o maior número de óbitos concentra-se nas pessoas com mais de 80 anos (1.102), seguidas das que tinham entre 70 e 79 anos (315) e entre os 60 e 69 anos (148). Há 55 óbitos entre os 50 e 59 anos, 20 entre os 40 e 49, dois entre os 30 e os 39 e outros dois entre os 20 e os 29 anos.
As autoridades de saúde mantêm sob vigilância 34.102 contactos de pessoas infetadas – mais 877 do que na quarta-feira – e há 1.480 pessoas que aguardam resultados laboratoriais.
O número de doentes dados como recuperados também registou um aumento, havendo hoje mais 335 pessoas recuperadas, registando-se agora um total de 30.049 casos nessa situação.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.