Cientistas investigam misteriosa neve rosa num glaciar dos Alpes italianos

Data:

Cientistas estão a tentar averiguar a origem da misteriosa cor rosa de um glaciar nos Alpes italianos que deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas, anunciaram os investigadores.

A origem das algas tem sido controversa, mas a cor rosa da neve, observada na zona do glaciar Presena, parece ser causada pela mesma planta descoberta na Gronelândia, segundo um investigador do Centro de Pesquisa Nacional, Biagio Di Mauro.

“A alga não é perigosa, é um fenómeno natural que acontece durante a primavera e o verão nas latitudes moderadas, mas também nos polos”, explicou o cientista, que estuda o fenómeno.

Da espécie Ancylonema nordenskioeldii, as algas também existem na Gronelândia, numa zona onde os glaciares derretem.

Em tempos normais, o gelo reflete mais de 80% dos raios solares na atmosfera, mas as algas obscurecem a neve que absorve mais o calor, e derrete também mais rapidamente.

À medida que a neve se funde rapidamente, aparecem mais algas, o que dá a cor rosa ao glaciar branco do Gavia, a 2.618 metros de altitude.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.