Portugueses integram rede europeia para inovação em tecnologia da água

Data:

Um dos objetivos da rede europeia, que integrar investigadores do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho, é encontrar soluções mais sustentáveis e inteligentes para gerir com mais eficiência os sistemas de tratamento e abastecimento de água.
A equipa de cientistas que está a desenvolver o ‘Interreg Europe iWATERMAP – Water Technology Innovation Roadmaps’ pretende ainda dar nova vida a recursos criados a partir de águas residuais e identificar tecnologias avançadas para eliminar ameaças escondidas, como a resistência a antibióticos e a presença de contaminantes emergentes.
Neste projeto, o CEB tem vindo a trabalhar em colaboração com nove parceiros e sete regiões da Europa. O ‘Interreg Europe iWATERMAP’ permitirá que as estratégias e progressos de cada região sejam compartilhados entre as regiões europeias parceiras.
Promover o relacionamento entre a investigação, o mundo empresarial e as autoridades regionais e criar condições para aumentar a competitividade, o crescimento e o emprego nas regiões são outros objetivos.
Cada região envolvida no projeto elabora um plano de ação, especificando o que será feito no seu território para assegurar que as lições aprendidas com o ‘iWATERMAP’ sejam postas em prática.

Inovação importante no setor agroalimentar

Um dos setores com forte presença na região Norte e onde a inovaçao em tecnologia da água pode ser significativa é o setor agroalimentar, cujo impacto tem vindo a aumentar em Portugal nos últimos anos.
“Segundo dados do INE de 2014, este setor tem um volume de negócios superior a 14,8 mil milhões de euros, empregando mais de 100 mil postos de trabalho diretos e cerca de 500 mil indiretos, sendo a segunda indústria que mais emprega em Portugal”, explica o CEB num comunicado enviado ao ‘Mundo Português’ onde sublinha que na Europa, “a indústria alimentar é o maior empregador, abrangendo entre os seus funcionários 15% da população, com exportações na ordem de 16,5% da quota mundial”.
O CEB da Universidade do Minho representa a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte no projeto iWATERMAP. Tem criado projetos relacionados com a temática da tecnologia da água, como o ‘PAMWater’ (desenvolvido em colaboração com a empresa Águas do Norte) uma plataforma tecnológica que recorre à inteligência artificial para prever e corrigir problemas na gestão dos serviços de tratamento e abastecimento de água.
A atuar nas áreas da biotecnologia e bioengenharia para os setores ambiental, saúde, industrial e alimentar, o CEB é um dos mais dinâmicos centros de investigação do país e está integrado na Escola de Engenharia da Universidade do Minho.
No centro estão reunidos cerca de 400 investigadores, de 20 nacionalidades diferentes, e é realizada uma atividade científica de excelência alinhada com uma significativa relevância comercial que se reflete no número de publicações, 300 artigos em revistas internacionais de renome e 15 empresas spinoff criadas.
A colaboração em projetos com empresas nacionais e internacionais também é um aspeto a destacar, sendo que 40% das publicações têm coautoria internacional

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.