Cerejas do Fundão entregues a Marcelo Rebelo de Sousa no palácio de Belém

Data:

 

O Presidente da República associou-se à campanha do Município do Fundão de entrega de cerejas em casa dos portugueses, tendo recebido,  no Palácio de Belém, uma caixa de cerejas, numa entrega testemunhada pelo Presidente da Câmara, Paulo Fernandes.

Esta campanha é uma forma inovadora de distribuir diretamente e em segurança a Cereja do Fundão e de apoiar os produtores de uma marca nacional certificada.

Com este gesto, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa pretende apoiar um produto tão importante para a economia da região e tão apreciado pelos portugueses, num ano em que o setor foi duplamente afetado pela crise pandémica e pelas condições climatéricas, dando assim um sinal de ânimo para a recuperação e de esperança para as atividades do setor primário da economia portuguesa.

 


Desta forma, o chefe de Estado “associou-se à campanha do município do Fundão de entrega de cerejas em casa dos portugueses”, que podem fazer as encomendas por e-mail ou por telefone, a partir de um limite mínimo de dois quilos.
O Presidente da República considera que esta “é uma forma inovadora de distribuir diretamente e em segurança a cereja do Fundão e de apoiar os produtores de uma marca nacional certificada” e refere que as informações sobre a campanha estão disponíveis em cerejadofundao.cm-fundao.pt.
“Com este gesto, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa pretende apoiar um produto tão importante para a economia da região e tão apreciado pelos portugueses, num ano em que o setor foi duplamente afetado pela crise pandémica [da covid-19] e pelas condições climatéricas, dando assim um sinal de ânimo para a recuperação e de esperança para as atividades do setor primário da economia portuguesa”, lê-se na mesma nota.
Esta campanha de entregas ao domicílio em todo o país com o objetivo de minimizar os impactos da covid-19 foi divulgada na semana passada em conferência de imprensa pelo presidente da Câmara Municipal do Fundão, Paulo Fernandes
“Queremos garantir que não haja ninguém que fique sem poder receber as suas cerejas, mesmo estando em casa. Ou seja, cada um poderá receber as suas cerejas sem sair de casa”, salientou na altura Paulo Fernandes.

 

Prejuízos de oito milhões de euros com quebra de produção de cereja do FundãoAs quebras de cerca de 70% na produção de cereja do Fundão, devido a condições meteorológicas adversas, vão causar um prejuízo direto de cerca de oito milhões de euros, disse o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes.
“Se pensarmos que, em anos normais, a componente ‘pura e dura’ da comercialização de cereja pode andar na casa dos 12/13 milhões de euros, podemos estar a falar cerca de oito milhões de euros de perda. Estamos a falar de facto de uma perda muito significativa”, apontou o presidente deste município do distrito de Castelo Branco.
O autarca falava na conferência de imprensa de apresentação da campanha “Cereja do Fundão 2020”, que irá apostar no marketing digital como o objetivo de continuar a alargar a notoriedade e a rentabilização deste produto.
A apanha do fruto já começou e este ano será condicionada, não só pelas circunstâncias causadas pela pandemia (foram adotadas novas medidas de proteção), mas, sobretudo, pelas “elevadas perdas” registadas devido às condições meteorológicas “muito adversas”, que ocorreram entre finais de março e início de abril.
“Inicialmente apontámos para uma quebra de cerca 50%, mas os últimos números apontam para cerca de 70%”, especificou Paulo Fernandes. A produção de cereja neste concelho estará assim reduzida a pouco mais de duas mil toneladas, quando noutros anos ronda as sete mil. Sublinhando a preocupação com a situação, Paulo Fernandes recordou ainda que mesmo que haja alguma rentabilização do produto, tal “nunca vai compensará” as perdas elevadas que os produtores vão registar.
Além disso, lembrou, os impactos negativos serão ainda mais elevados e abrangentes se as contas englobarem todo o investimento que gira à volta da fileira de cereja, criando uma economia que valerá cerca de 20 milhões de euros anuais, neste concelho.
Estas questões serão também apresentadas à tutela numa visita que a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, deverá fazer ao concelho no dia 22.
O Fundão tem entre 2.000 a 2.500 hectares de pomares de cerejeiras e é considerada a principal zona de produção de cereja a nível nacional.
Em março, a Comissão Europeia aprovou o pedido para que a “Cereja do Fundão” seja um produto de Indicação Geográfica Protegida.

 

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.