Agravaram-se “assimetrias regionais” na construção da Sociedade da Informação em 2019

Data:

O Índice Digital Regional de 2019 revela que a Área Metropolitana de Lisboa continua a afastar-se do resto do país, agravando as “assimetrias regionais” na Sociedade da Informação, e o Centro ultrapassou o Norte como segundo melhor classificado.

Concebido pela Universidade do Minho, através do Gávea – Observatório da Sociedade da Informação, o Índice Digital Regional (IDR), mostra que a Área Metropolitana de Lisboa (AML) “continua o afastamento face à média das regiões no desempenho na Sociedade da Informação, reforçando ainda mais a larga distância em relação à segunda região melhor classificada”, a do Centro, a “única com uma trajetória de aproximação à média portuguesa”, que em 2019 passou a região Norte, fixando-se como segunda classificada.

“Isto confirma o acentuar das assimetrias regionais na construção da Sociedade da Informação em Portugal. Em aspetos relevantes da Sociedade de Informação, as assimetrias persistem e até se vão agravando”, alerta Luís Miguel Ferreira, investigador do Gávea e coautor do estudo que já vai na 8.ª edição.

O responsável destaca que isto aconteceu depois de “anos e muitos milhões de euros de Fundos Estruturais aplicados na coesão e na convergência territoriais”, bem como “de tantos alertas coletivos para a necessidade de maior equilíbrio e equidade no desenvolvimento regional”.

Em 2019, a região Centro conseguiu, por um lado, ultrapassar a região Norte como a segunda melhor classificada e, por outro, ser a única região com uma trajetória de aproximação à média portuguesa.

O IDR refere que, “à exceção da região Centro, todas as regiões viram, entre 2018 e 2019, o seu resultado afastar-se da média nacional”, ao passo que “a média nacional ficou ainda mais distante na região da AML”.

“O fosso existente entre esta região e as restantes continua a aumentar”, destaca o documento.

A última posição é ocupada pelos Açores, “tal como aconteceu nas três edições anteriores”, refere o estudo.

O posicionamento das sete regiões no ranking do IDR 2019 “verificou poucas mexidas em relação à edição anterior”.

Para além da manutenção da região de Lisboa na primeira posição (que já se verificou na totalidade das edições anteriores do índice), o Centro subiu ao segundo lugar, por troca com a região Norte, que baixou ao terceiro posto.

Na quarta posição “surge novamente a região do Algarve e em quinto o Alentejo, seguido da Região Autónoma da Madeira”.

Em cada um dos quatro sub-índices que constituem o IDR (Contexto, Infraestrutura, Utilização e Impacto), a região da AML “apresenta-se sempre em primeiro lugar, tendência verificada desde a primeira edição do índice”.

Esta é, também, “a única região a obter desempenho acima da média nacional nos sub-índices Contexto e Impacto”.

“No sub-índice Infraestrutura, as regiões do Algarve e Açores apresentam resultados acima da média nacional e no sub-índice Utilização o Algarve consegue ultrapassar também a médica nacional”, refere o documento.

O IDR o estudo pretende contribuir para “compreender a realidade da Sociedade da Informação nas sete NUT II (unidades territoriais para fins estatísticos de segundo nível], comparando-as e contrastando-as”.

Esta 8.ª edição do IDR resulta da atualização dos dados estatísticos utilizados no cálculo das edições anteriores (2012 a 2018), mantendo-se a metodologia inalterada, pese embora a alteração da bateria de indicadores (desta vez 82, menos três dos que tinham sido usados na edição anterior).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.