Estudo da Accenture confirma que hábitos de consumo mudaram com a Covid-19

Data:

A pandemia COVID-19 irá provavelmente alterar, de forma permanente, o comportamento do consumidor e causará mudanças estruturais duradouras nos setores de bens de consumo e retalho – indica o novo estudo da Accenture com mais de 3.000 consumidores em quinze países e cinco continentes.

O estudo da Accenture, realizado no passado mês de abril, depois de muitos países terem implementado medidas de isolamento social, indica que os consumidores começaram a mudar as suas prioridades de compra. Por exemplo, de um modo geral, os inquiridos indicaram comprar hoje mais produtos de higiene pessoal e de limpeza, assim como alimentos enlatados e frescos do que há duas semanas – referindo também que compram menos artigos de moda, beleza e eletrónicos.

Mais importante, porém, os resultados indicam que muitas das mudanças neste tipo de comportamentos, provavelmente continuarão muito depois da pandemia. Além disso, a crise está também a levar os consumidores a considerarem mais seriamente os impactos das suas opções de compras na sua saúde e no meio ambiente. Por exemplo:

  • 60% dos entrevistados assumem gastar mais tempo nos cuidados pessoais e bem-estar mental, com cerca de seis em cada 10 consumidores (57%) a afirmar que começaram a fazer mais exercício físico em casa;
  • 64% dos consumidores indicaram que estão mais preocupados com o desperdício alimentar e que, eventualmente, continuarão a ter esse cuidado daqui para frente;
  • 50% dos consumidores afirmaram comprar alimentos com maior consciência da sua saúde e que irão continuar a fazê-lo;
  • 45% dos consumidores indicaram ainda que fazem escolhas mais sustentáveis ​​aquando das suas compras e que irão manter esse cuidado no futuro.

 

Pandemia está acelerar a transformação digital

Sem surpreender, o estudo da Accenture constatou que a pandemia está a levar mais pessoas ao consumo online, sobretudo na área da alimentação. Um em cada cinco entrevistados que indicou que as suas compras mais recentes foram feitas online, afirmou também que o tinham feito pela primeira vez – para consumidores mais velhos o número é de um em cada três. E se 32% das compras atuais de todos os produtos e serviços foram feitas online, prevê-se que esse número suba para 37% em breve.

O realinhamento das prioridades de compra, lifestyle e práticas laborais está exigir mudanças significativas no retalho e no comércio“, afirma Jill Standish, Global Retail Lead da Accenture. A compra de mercearias e produtos alimentares era uma área do e-commerce na qual muitos se mostravam mais relutantes, mas a COVID-19 mudou rapidamente essa perspetiva. Os resultados do nosso estudo revelam como as pessoas que não se sentiam tão à vontade com o e-commerce e outras tecnologias digitais foram pressionadas a superar as suas hesitações – e essa mudança é enorme. As organizações que agora se adaptam, têm que ter como palavras de ordem: confiança, relevância e conveniência.

 

 

 

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.