Tricampeã mundial de jiu-jitsu Vanessa Pereira adapta treinos durante quarentena

Data:

A portuguesa Vanessa Pereira, tricampeã mundial de jiu-jitsu, afirmou à Lusa que o maior desafio em plena quarentena é “manter o peso e o equilíbrio psicológico” para continuar a ter motivação para treinar em casa.

O isolamento social e a quarentena, necessárias para evitar a propagação da covid-19, vieram afetar a rotina diária da maioria da população mundial e os atletas de alta competição não são exceção, como é o caso de Vanessa, residente na Suíça há 13 anos.

Vanessa Pereira, de 31 anos, é filha de pais cabo-verdianos e pratica jiu-jitsu há mais de 10 anos, na academia Karkara BJJ, na cidade de Renens, na parte francesa da Suíça.

“O meu primeiro contacto com a modalidade foi em Portugal. Tinha 18 anos, trabalhava como segurança numa discoteca, e grande parte dos meus colegas praticavam jiu-jitsu. Foram eles que me motivaram para ir experimentar. A partir daí, ficou o ‘bichinho’”, afirmou a jovem atleta, salientado que foi quando chegou à Suíça que investiu profissionalmente na modalidade.

A atleta lusa conta que “tinha um namorado que treinava jiu-jitsu” e que “um dia” o acompanhou para ir ver uma das suas lutas. “Ver mulheres a lutar, despertou em mim o desejo de me lançar neste desporto”, relatou à agência Lusa.

A atleta consagrou-se campeã mundial três vezes consecutivas no Abu Dhabi World Professional Jiu-Jitsu Championship, nos anos 2015, 2016 e 2017, e conquistou a medalha de prata no ano seguinte, na categoria de -70kg.

“O auge da nossa carreira no jiu-jitsu é dos 20 aos 30 anos, apesar de podermos lutar a vida toda”, afirmou a jovem atleta, sublinhando que chegou onde queria e arrecadou todos os prémios que desejava.

Além das três medalhas de ouro conquistadas em Abu Dhabi, numa das competições de jiu-jitsu mais conhecidas a nível mundial, a jovem lutadora ganhou cinco medalhas de ouro, na categoria até 69 kg, no European Open Jiu-Jitsu Championship, uma competição em que a lutadora participa anualmente, desde 2014, em Odivelas.

“Competir em casa traz-nos outro nível de stresse, até porque tenho sempre a minha família e amigos a assistir. A pressão é bem maior”, reconheceu.

Em plena pandemia provocada pela covid-19, a atleta de artes marciais tem mantido os treinos em casa, para não perder o ritmo e a forma física.

“O mais difícil nesta fase é manter o peso. Andamos menos, saímos menos e o corpo tem tendência a acumular mais facilmente”, explicou a atleta, reforçando que os primeiros dias foram “os mais difíceis”, porque, segundo a jovem “a motivação em casa é muito menor”.

Desde que se declarou o estado de emergência na Suíça, em 16 de março, a atleta deixou de treinar jiu-jitsu na academia e passou a ser acompanhada à distância por uma treinadora desportiva portuguesa, com quem mantém um plano de nutrição e preparação física online.

“Treino todos os dias de manhã e ao fim da tarde, cerca de 20 horas semanais”, contou a atleta, reforçando que o mais difícil é “manter o peso e o equilíbrio psicológico”.

A campeã afirma que o que mais sente falta em plena quarentena é dos treinos de jiu-jitsu na academia e do contacto com os colegas.

“Na nossa equipa, somos todos muito unidos, até mesmo nas competições. Apoiamo-nos muito e, psicologicamente, isso é extremamente importante”, frisou a portuguesa.

A atleta adiantou ainda à agência Lusa que quer ser mãe este ano, o que a vai levar a fazer uma pausa nas competições no próximo ano.

“O sonho da maioria das atletas femininas é subir um dia ao pódio com os seus filhos nos braços. É o que pretendo fazer para o ano”, admitiu a atleta.

Questionada sobre os seus projetos a longo prazo, a atleta confessou à agência Lusa que ambiciona criar uma academia de jiu-jitsu em Portugal, destinada a vítimas de violência doméstica e mães solteiras.

“O jiu-jitsu ensinou-me a ser uma pessoa mais forte e quero poder transmitir essa mesma força a outras mulheres”, concluí a tricampeã mundial.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.