Conserveira Ramirez em máxima produção

Data:

Na fábrica de Lavre, os dias seguem praticamente inalterados e com um impacto mínimo na linha de produção. Há 167 anos que a conserveira Ramirez se dedica a fazer chegar produtos de qualidade ao mercado e, como já aconteceu em ocasiões anteriores, agora é a altura em que mais precisa de laborar. “Temos consciência de que o nosso produto é, em contextos como este, muito desejado e um bem de primeira necessidade. Por isso, tudo estamos a fazer para corresponder às inúmeras solicitações de todos os nossos parceiros”, referiu à revista EXAME Luis Avides Moreira, administrador-adjunto da empresa.

Avides Moreira nota que a loja online, que exporta para toda a Europa, teve um “crescimento avassalador” no último mês e que em dois dias a organização foi obrigada a alargar os tempos de entrega para conseguir responder à procura. Por essas razões, a empresa não acredita precisar de recorrer a nenhuma das medidas recentemente anunciadas pelo Governo. E aproveita para alertar os governantes de que “o problema do regular fornecimento das matérias primas” é atualmente uma grande preocupação da Ramirez e de todo o setor conserveiro, e de que é urgente ter informação sobre a abertura da época de pesca da sardinha e sobre as quotas de pesca para 2020, assuntos sobre os quais não tem havido qualquer comunicação, lamentou o administrador.

A Ramirez fez ainda saber que “como resposta social a este momento” decidiu dar ao mercado “mais 10% de peixe nos produtos de maior rotação: o atum em óleo vegetal e o atum em azeite”. E sugere que “baixar o escalão de IVA das conservas de peixe seria, nesta fase, também uma ajuda extraordinária para as famílias portuguesas”. Recorde-se que embora o atum em conserva pague a taxa reduzida do IVA (6%), as conservas de sardinha, por exemplo, pagam a taxa intermédia de 13%.

Novas medidas de segurança para combater o surto de Covid-19

A Ramirez colocou 65% dos seus colaboradores de back-office e do departamento comercial em regime de teletrabalho e garante que nas funções obrigatoriamente presenciais o impacto dos planos de contingência implementados foram mínimos. Recorde-se que em indústrias deste género o nível de segurança e higiene exigido já é bastante elevado, sendo que a fábrica da Ramirez tem passado por sucessivas remodelações, sendo atualmente uma das mais tecnológicas e avançadas do setor, em termos mundiais.

Ainda assim, garante o responsável, foram implementadas novas medidas de segurança para combater o surto de Covid-19, nomeadamente a criação de uma sala de isolamento, a medição da temperatura diária a todos os colaboradores, a obrigação de uso de máscaras e luvas, a criação de diversos horários de almoço para evitar concentração de pessoas e o reforço da frequência de limpeza das superfícies e equipamentos de contacto, entre outras.

A Ramirez, que continua a ser uma empresa familiar, emprega atualmente mais de 200 pessoas e produz anualmente 70 referências que se refletem em 50 milhões de latas de conserva.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.