Crescimento económico abranda na zona euro para 1,2% em 2019

Data:

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,2% na zona euro e 1,5% no conjunto da União Europeia (UE) no ano passado, o que representa um abrandamento do crescimento económico, divulgou hoje o gabinete de estatísticas comunitário.

Dados hoje divulgados pelo Eurostat indicam que, em todo o ano de 2019, o PIB cresceu 1,2% na zona euro e 1,5% na UE a 27, após subidas de 1,9% e de 2,1%, respetivamente, em 2018.

De acordo com o Eurostat, o crescimento registado na zona euro e na UE atingiu, no ano passado, o valor mais baixo dos últimos seis anos, recuando aos níveis de 2013.

No que toca ao último trimestre de 2019, o PIB da zona euro subiu, neste período, 1% em termos homólogos, enquanto o da UE a 27 aumentou 1,2%.

Já na variação em cadeia, a economia da zona euro cresceu 0,1% e a da UE 0,2% face ao trimestre anterior.

Ainda no último trimestre do ano passado, o PIB português subiu 2,2% em termos homólogos e 0,7% na variação trimestral.

Segundo o Eurostat, Portugal foi o nono Estado-membro com uma maior variação trimestral no último período de 2019.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.