Renovação da frota traz mais de cem milhões de prejuizo ao exercício da TAP em 2019

Data:

A companhia aérea nacional registou 105,6 milhões em prejuízos em 2019, resultado do investimento de mais de 1,5 mil milhões na renovação da frota.

Naquele que foi “um ano de investimento e transformação” para a TAP, a empresa registou um prejuízo de 105,6 milhões de euros. Em comunicado, a companhia aérea justifica este desempenho (que melhorou ligeiramente face a 2018) com o investimento de mais de 1,5 mil milhões de euros na renovação da frota.

Apesar destes prejuízos, observou-se uma ligeira melhoria face a 2018, um “ano difícil”, em que o resultado líquido negativo foi de 118 milhões de euros. A TAP ressalva que a compra de “30 novas aeronaves e a saída de 18 antigas” teve um impacto financeiro negativo de 55 milhões no resultado do ano. Ainda assim, “a renovação da frota foi determinante, no segundo semestre, para melhorar a eficiência e a satisfação do cliente”.

“A TAP foi a empresa que mais investiu em Portugal em 2019, tendo registado mais de 1,5 mil milhões de euros em investimento, incluindo a compra de 30 aviões novos, que permitiu a renovação de 70% da frota de longo curso num só ano”, refere a empresa, acrescentando que terminou 2019 com “uma das frotas do longo curso mais jovens do mundo”. Ainda nesse ano, inaugurou 11 novas rotas e contratou cerca de 900 novos trabalhadores.

Este investimento contribuiu para um aumento de 28% das contribuições e impostos ao Estado, “passando de 257 milhões de euros por ano para 328 milhões de euros, nos últimos quatro anos (um acréscimo de 71 milhões de euros por ano)”.

Ainda no ano passado, ano em que transportou mais de 17 milhões de pessoas, a companhia nacional refere que “a consolidação do turnaround implementado em 2018 no Brasil permitiu atingir, pela primeira vez um EBITDAR positivo, que contribui para as contas do Grupo no valor de 3,1 milhões de euros”. O “resultado operacional passou de prejuízo de 44 milhões de euros em 2018 para lucro de 58,6 milhões de euros em 2019”, refere o comunicado.

Estes resultados são referentes ao Grupo TAP porque, se apenas forem tidos em conta os resultados da TAP S.A., o prejuízo é de 95,6 milhões de euros, conforme consta no comunicado enviado esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Mercado norte-americano já é o terceiro maior da TAP

A TAP foi a empresa europeia que “mais cresceu nas rotas para a América do Norte em 2019”, tendo registado um aumento de 31% em número de passageiros transportados, um total de 1,04 milhões de passageiros, mais 247.000 do que em 2018. A empresa sublinha que cresceu em todos os mercados no que toca ao número de passageiros, contudo, destaca a expansão na América do Norte.

Nos últimos quatro anos, a TAP passou de três rotas e 16 frequências semanais em 2015, para nove rotas e 56 frequências semanais em 2019. Com sete novas rotas no mercado norte-americano, o aumento de passageiros transportados entre 2015 e 2019 foi de 179%, refere o comunicado. A aposta neste mercado continua e, ainda este ano, a empresa planeia operar para 11 rotas e 82 frequências semanais para a América do Norte.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.