CM Lisboa quer limitar circulação automóvel na Baixa a 30 quilómetros/hora

Data:

A limitação da circulação automóvel a 30 quilómetros/hora é uma das propostas da Câmara de Lisboa para a nova Zona de Emissões Reduzidas Baixa-Chiado, onde o trânsito será exclusivo para residentes, portadores de dístico e veículos autorizados.

A medida está inscrita no relatório técnico da Zona de Emissões Reduzidas Avenida-Baixa-Chiado (ZER ABC), disponível no ‘site’ www.zer.lisboa.pt, que prevê ainda que os veículos posteriores a 2005 (veículos EURO 4) deixem de poder circular na zona da Baixa, com exceção para residentes, a partir de abril de 2021.

A nova ZER foi apresentada na semana passada pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), e prevê que, a partir do verão, o trânsito automóvel na zona da Baixa passe a ser exclusivo para residentes, portadores de dístico e veículos autorizados, entre as 06:30 e as 00:00.

O projeto apresentado propõe também a proibição da circulação automóvel na faixa central da Avenida da Liberdade entre os Restauradores e a Rua das Pretas e a reposição do modelo original de circulação ascendente/descendente nas laterais da avenida.

A limitação da circulação automóvel a 30 quilómetros/hora é apresentada no relatório como uma “clara aposta na segurança rodoviária”.

Por outro lado, a autarquia defende a melhoria do desempenho da rede de autocarros e elétricos e o “reforço da oferta da Carris, em particular a sua regularidade”.

“Obviamente, a redução de tráfego resultante da regulação de acesso terá um efeito positivo na redução dos conflitos com o transporte individual, bem como a eliminação do estacionamento na via pública nos locais onde hoje a Carris regista mais interrupções, nomeadamente, na Rua da Escola Politécnica, na Rua de São Paulo e Rua dos Fanqueiros (top 3 de tempo perdido pela Carris)”, lê-se no documento.

Entre os eixos que passam a ser reservados ao transporte público está a Rua da Prata, uma “parte significativa” da Rua da Conceição, a Rua de São Pedro de Alcântara entre o Largo Trindade Coelho e a Rua das Taipas, o Largo Camões e a Rua do Loreto, o Largo do Chiado e o sentido descendente da Rua de São Bento.

“O modelo de circulação proposto visa melhorar as condições de circulação no interior da área para o transporte público e para os segmentos autorizados, sobretudo os residentes”, é ainda referido.

No relatório são apresentadas várias propostas para alterar o sistema de circulação atual na Baixa, nomeadamente a transformação da Rua do Ouro num “canal de via única para transporte público e transporte individual (segmentos autorizados), no sentido norte-sul”.

Entre outras alterações, prevê-se que a Rua da Prata também fique exclusivamente de acesso a transportes públicos, com uma via em sentido sul-norte.

“No interior da área de intervenção esperam-se reduções de tráfego muito elevadas, que podem atingir os 75% em alguns arruamentos. Em geral, é expectável uma redução de 40% do número de veículos em circulação, dos atuais 100 mil para 60 mil. Assim sendo serão evitadas até 60 mil toneladas de emissões de CO2/ano”, lê-se no relatório.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.