Atividade empresarial de Viana do Castelo representa volume de negócios de 2,8 mil milhões de euros

Data:

A atividade empresarial no concelho de Viana do Castelo representa atualmente um volume de negócios de 2,8 mil milhões de euros (INE, 2017), correspondendo a 48% do total do Alto Minho. No período entre 2013 e 2017, foi registado um crescimento da atividade de 13%.
Para este exponencial crescimento, os clusters de maior relevância, assegurando 80% do valor total, correspondem a Papel, Construção/Imobiliário, Eólico, Comércio, Componentes Automóvel, Metalomecânica/Metalúrgica e Bens de Equipamento, Comércio e Reparação Automóvel e Economia do Mar. Entre 2009 e 2018, os clusters que registaram um maior crescimento foram o de Componentes Automóvel (2,6x), Papel (2,2x) e Economia do Mar (2,3x após 2013).


O investimento empresarial global no período 2009-2018 foi superior a 1.000 milhões de euros, com forte intensidade nos 2 últimos anos (320 M€), tendo mais de 60% do investimento sido registado nos clusters Papel, Componentes Automóvel, Construção/Imobiliário, Eólico, Metalomecânica/Metalúrgica e Bens de Equipamento e Economia do Mar.
Em 2017, foram registados 31 mil postos de trabalho nos estabelecimentos de Viana do Castelo, correspondendo a 40% do emprego do Alto Minho. Este valor representa um crescimento de 18% em comparação com pico mínimo de 2013 (cerca de +4.700 postos de trabalho). Os clusters do Componentes Automóvel, Metalomecânica / Metalúrgica e Bens de Equipamento, Eólico, Turismo e Tecnologias de Informação foram os que mais contribuíram para este acréscimo no emprego.
Se, em 2009, Viana do Castelo exportava bens no valor de 315 milhões de euros, o valor praticamente triplicou para 800 milhões de euros em 2018, correspondendo a 42% do total do Alto Minho. A capital do distrito é, assim, o 16º concelho do país no ranking de exportações, registando uma subida de 12 posições desde 2009. Do grupo de 20 concelhos mais exportadores, é o 2º concelho com maior crescimento de exportações desde 2009 (INE, 2018), ocupando ainda a 5ª posição no ranking de exportações de capitais de distrito (INE, 2018).
Para as exportações, os clusters de maior relevância (63% total) são Papel, Eólico, Componentes Automóvel, sendo que o maior crescimento registado (vs 2009) é nos clusters Construção/Imobiliário (3,7x), Componentes Automóvel (2,6x), Papel (2,4x) e Economia do Mar (4x após 2013). Atualmente, os clusters de maior intensidade exportadora são os Componentes Automóvel (98%), Eólico (61%), Têxtil e Calçado (61%) e Papel (53%).
Viana do Castelo assume-se como a 3ª capital de distrito com maior crescimento na produtividade do trabalho (VAB/RH – milhares de euros), registando uma taxa de crescimento de 39%. Assim, a capital do Alto Minho passou de 17,9, em 2009, para praticamente 24,9 (milhares de euros), em 2017.
A informação resulta de um estudo levado a cabo pela CDE Consultores, tendo por base dados estatísticos publicados.

Gabinete de Comunicação e Imagem
Câmara Municipal de Viana do Castelo

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.