CP disponibiliza estações para residências de estudantes na Grande Lisboa

Data:

O Governo e CP celebraram um protocolo em que várias estações e outras instalações desativadas vão ser disponibilizadas para serem convertidas residências de estudantes com capacidade “entre 300 a 500 camas”.
A parceria insere-se no Plano Nacional de Alojamento para estudantes lançado pelo Governo que visa aproveitar e reconverter edifícios do Estado desocupados em residências de estudantes, com o propósito de criar mais 12 mil camas numa década.
O protocolo que será celebrado com a CP, na presença dos ministros do Ensino Superior, Infraestruturas e vários reitores, visa aproveitar as estações desativadas para aumentar a oferta na zona da Grande Lisboa, onde os custos do alojamento são “um grande problema”, como apontou o secretário de Estado do Ensino Superior, Sobrinho Teixeira. O projeto é para albergar 600 estudantes e o edifício já foi “entregue a um arquiteto, depois vai ser aberto o concurso que tem uma forma mais simples, com prazos mais apertados para ter celeridade” e faltará depois “a resposta também do setor da construção.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.