UTAD é parceira de projeto europeu no âmbito da regeneração das florestas

Data:

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) integra o projeto ‘ForManRisk – Forest Management and Natural Risks’ (Gestão da Floresta de de Riscos Naturais) que tem por objetivo melhorar a gestão da vida da floresta numa fase chave: a regeneração.
Participam ainda no ‘ForManRisk’ Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), o Office National des Forêts, líder do projeto, o Institut Méditerranéen du Liège, o Institut National de la Recherche Agronomique, a Sociedad Aragonesa de Gestión Agroambiental, o Consorci Centre de Ciència i Tecnologia Forestal de Catalunya, a Asociación Forestal de Galicia e a Gistree, Sistemas de Informação Geográfica, Floresta e Ambiente.
O orçamento total do consórcio, para o desenvolvimento das atividades é de mais de 1,5 milhões de euros, sendo 75% cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do Programa de Cooperação Interreg V-B Sudoeste Europeu (2014-2020).
A primeira reunião do ‘ForManRisk’ ocorreu a 18 e 19 de novembro em Saragoça, Espanha e serviu para o planeamento e organização do calendário dos primeiros seis meses de trabalho do projeto.
Uma das iniciativas será a realização de atividades de formação e troca de experiências e a criação de ferramentas atuais e partilhadas de apoio à gestão da floresta “que permitam melhorar a prevenção de riscos de incêndio e otimizar a coordenação e a eficiência das operações”, informa a UTAD num comunicado.
“Uma das principais linhas do projeto é a implementação de uma rede de florestas piloto e espaços de trabalho de ‘demonstração’no território SUDOE, permitindo experimentar novas técnicas de regeneração e de gestão de riscos, ao mesmo tempo que procede à consciencialização dos atores envolvidos (intervenientes institucionais e a população civil) acerca dos riscos naturais e se acelera a criação de novos padrões de gestão no espaço de colaboração”, revela ainda a universidade portuguesa UTAD.
Para responder melhor a esses desafios, serão desenvolvidas atividades para melhorar as técnicas de gestão florestal sustentáveis, nas florestas da área SUDOE que apresentam cada vez mais problemas de regeneração associados às alterações climáticas.
O projeto ‘ForManRisk’ é financiado pela União Europeia com fundos do FEDER, através do SUDOE.
Este Programa apoia o desenvolvimento regional no sudoeste da Europa, financiando projetos transnacionais para lidar com problemas comuns às regiões desse território, como o baixo investimento em investigação e desenvolvimento, a baixa competitividade de pequenas e médias empresas e a exposição a mudanças climáticas e a riscos ambientais.
As regiões elegíveis pelo SUDOE são todas as comunidades autónomas espanholas (exceto as Ilhas Canárias), as regiões sudoeste da França (Auvergne, Occitanie e Nouvelle Aquitaine), as regiões continentais de Portugal, o Reino Unido (Gibraltar) e o Principado de Andorra.
O projeto, cujo início formal foi a 1 de outubro de 2019, durará até o final de 2022 sendo considerado prioritário no combate às mudanças climáticas.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.