Projeto “Seringas Só no Agulhão” recolhe 102 mil seringas usadas em cinco meses

Data:

O projeto “Seringas Só No Agulhão”, que se traduz na recolha de seringas usadas pelos doentes que utilizam medicamentos injetáveis, recolheu 102.000 seringas e agulhas usadas nos primeiros cinco meses do projeto, indicou a Associação de Farmácias de Portugal.

O projeto, lançado no final de junho, foi criado devido à falta de soluções seguras e ecológicas para a recolha das seringas usadas pelos doentes diabéticos.

As estimativas da AFP apontam para que todos os anos sejam gerados em Portugal mais de 250 milhões de resíduos em ambulatório, os quais, “devido à inexistência de uma recolha segura, vão parar ao lixo comum”, descreveu a Associação de Farmácias de Portugal.

O projeto “Seringas Só No Agulhão” arrancou em dez farmácias do Norte do país e em cada farmácia foi instalado um contentor próprio, o “Agulhão”, onde todos os cidadãos podem colocar as suas seringas usadas, sem qualquer custo.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.