Refugiados sírios em Portugal fazem “festa e convívio”

Data:

Muçulmanos, razão pela qual não festejam o Natal, os cerca de 20 refugiados sírios renderam-se ao tradicional bacalhau e convívio da ceia promovida pela Cruz Vermelha de São João da Madeira, em Aveiro.
Com o cenário da guerra num passado longínquo e com um futuro promissor no horizonte, os elementos das famílias que falaram com a Lusa explicaram que, apesar de não festejarem a quadra, participaram no evento por ser uma oportunidade de “festa e convívio”.
Aya Kahwaji, de 19 anos, foi a porta-voz da família de 13 elementos que chegou a São João da Madeira a 28 de novembro, depois de sete anos no Egito. Partilha casa com o pai, a mãe, os irmãos gémeos mais novos, um outro irmão mais velho e a avó paterna. Os tios e dois primos vivem noutra casa.
“Aqui é melhor para os estudos e para o meu pai trabalhar. A vida aqui é melhor. Vamos para a escola durante o dia, de resto gostamos de ficar por casa ou vamos ao centro comercial comprar comida. Gosto muito das pessoas aqui, são muito queridas. Sorriem na rua e cumprimentam-nos sempre”, disse em inglês.
Aya tem tido aulas de português na Escola Serafim Leite, enquanto a família tem aulas com voluntários do Corpo Europeu de Solidariedade para ultrapassar a barreira linguística que impede o pai de Aya, Noor Kahwaji, de entrar no mercado de trabalho, depois de uma experiência num supermercado egípcio.
“Quero ir para a universidade no próximo ano, estudar Medicina ou Farmácia. O meu irmão mais velho (Hadi Kahwaji, de 21 anos) também quer, vai estudar Engenharia, por agora tem aulas de português. Temos a escola secundária completa no Egito. Queremos ficar aqui o resto da vida”, contou.

“A vila é muito ‘fixe’”

A família de Ibrahimi Kanjo e Surya Al Haj Hussein também esteve presente, a “convite de amigos”, com os três filhos Ahmad, Marian e Mohammad, de cinco, quatro e três anos, respetivamente.
Fugiram de Alepo em 2014 e chegaram a Portugal há três anos. Assentaram no concelho de Santa Maria da Feira, com ajuda da Associação Pelo Prazer de Viver, de Mozelos.
Foram da Síria para o Líbano, depois para a Turquia, seguiu-se a Grécia, até chegarem ao novo lar, onde já estão integrados na sociedade e a língua vai deixando de ser um obstáculo.
Ibrahimi era costureiro no seu país e agora também faz casacos, recentemente conseguiu obter o passaporte para três filhos de uma outra relação, que também vêm para Portugal – uma prenda de Natal antecipada.
“A vila é muito ‘fixe’, nas grandes cidades há muita gente e ninguém nos cumprimentava. Aqui cumprimentam sempre. Queremos ficar em Portugal, faltam dois anos até conseguirmos a nacionalidade. Gostamos desta época do Natal, não fazemos festa, mas vamos aproveitar para passear”, contou, em português ‘arranhado’, o alfaiate de 46 anos que reside atualmente em Escapães, Santa Maria da Feira.
A Cruz Vermelha de São João da Madeira apoia estas famílias durante 18 meses, seja com habitação e alimentação, mas também com educação e formação profissional, tendo sob a sua alçada atualmente a família de Aya, outra de sete elementos vindos do Sudão do Sul e, mais recentemente, um acolhimento urgente de uma mãe dois filhos de nacionalidade síria.
Segundo a diretora, Joana Correia, tem havido dificuldades na integração dos sudaneses que, apesar de católicos, não participaram na ceia de Natal, problemas que não têm acontecido com a família Kahawji, que tem tido um “excelente” processo de adaptação e cujos contratempos são meramente “logísticos”.
“Já vieram com algumas competências linguísticas e nas últimas semanas desenvolveram-se de uma forma brutal. Não se fecham em nenhum momento, o que poderia acontecer visto que se trata de um jantar de Natal. Poderia ser um fator de exclusão, mas eles ultrapassam essas questões em prol da sua integração”, apontou.
Segundo a responsável, para uma integração mais célere o “importante é ter já tudo preparado”, ou seja, “matrículas feitas na escola para que as crianças no dia seguinte possam ir imediatamente para a escola” e os adultos para aulas de português, de forma a não criar um espaço temporal que se transforme numa “situação atípica”.
A diretora acrescentou que a família de Aya vai começar um curso no Centro de Formação e Calçado da cidade, na segunda semana de janeiro.
Elena García, de 24 anos, veio de Sevilha, Espanha, inserida no programa Corpo Europeu de Solidariedade e faz parte do trio de voluntários que ensina português e inglês a estas famílias. Tirou Psicologia e trabalhou como terapeuta nas áreas de psicodrama e arte-terapia, mas queria experimentar a “área social e fazer voluntariado” num país como Portugal.
“O nosso papel é ser uma figura mais informal do que a instituição. Temos uma relação menos tensa, eles não nos pedem coisas, pedem à Joana [Correia], nós somos os ‘miúdos fixes’, os amigos. As aulas são muito interativas, concentramo-nos na comunicação oral. Começamos com um jogo para aprenderem os números, depois simulamos uma situação como comprar um bilhete de comboio em que um é o cliente e outro é o revisor”, detalhou.
Segundo a espanhola, as aulas são importantes não só por causa da linguagem, mas também para dar uma “estrutura durante a semana, para que não fiquem muito em casa e se retraiam”, por isso estes voluntários também organizam passeios e outros encontros informais.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.