Número de alunos chineses no ensino superior português disparou na última década

Data:

A China está a enviar cada vez mais alunos para as instituições de ensino superior portuguesas, numa evolução contínua desde o ano letivo 2011-2012, quando chegaram 336 estudantes daquele país, até aos 1.296 inscritos em 2018-2019.

Uma análise às tabelas da Direção Geral de Educação e Ciência (DGEEC), por país de origem, mostra que os alunos chineses vêm sobretudo estudar línguas, direito e gestão e administração, nos vários ciclos de estudo: licenciatura, mestrado e doutoramento.

Entre 2011 e 2019, verificaram-se 6.568 inscrições de alunos chineses nas universidades e politécnicos em Portugal, de acordo com os dados do Concurso Nacional de Acesso (CNA), disponíveis na DGEEC.

Lisboa foi o distrito que concentrou o maior número de inscrições de alunos no total acumulado do período em análise (3.820), seguindo-se Aveiro (710), Braga (523), Coimbra (446) e Porto (434).

Estes números incluem a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM).

A grande maioria (85%) dos alunos chineses frequenta ou frequentou o ensino público ao longo deste período: 5.606 alunos. O privado absorveu 962 estudantes.

As universidades receberam 5.915 destes alunos (90,1%) e os institutos politécnicos 653 (9,9%).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.