IBM instala Centro de Inovação Tecnológica no Fundão

Data:

A IBM está a instalar um Centro de Inovação Tecnológica no Fundão, cuja atividade será centrada no desenvolvimento e gestão de soluções de energia e que criará pelo menos 30 postos de trabalho no primeiro ano.
“O que nós programámos, numa primeira fase, é o desenvolvimento de soluções e de serviços no domínio energético e da eficiência energética, que é claramente a aposta principal”, afirmou o presidente da IBM Portugal, António Raposo Lima, na cerimónia de assinatura do protocolo de parceria com a Câmara do Fundão.
António Raposo Lima adiantou que a empresa já está a recrutar jovens qualificados da área das novas tecnologias de informação e que este laboratório de competências prestará serviços para “Portugal e para o mundo”.
“Esta rede de centros que nós desenvolvemos, e que queremos ver crescer, presta serviços para os clientes que nós temos e que não estão circunscritos a Portugal. (…)Cerca de metade da atividade que nós desenvolvemos nestes centros já é uma atividade de exportação, fundamentalmente na Europa, nos Estados Unidos da América e também na Ásia”, indicou.
O centro será gerido pela Softinsa (empresa do grupo IBM) e iniciou atividade antes mesmo do que estava planeado para dar resposta às necessidades.
Sobre a escolha do Fundão, António Raposo Lima apontou a aposta que esta cidade do distrito de Castelo Branco tem feito ao nível da atração e captação de empresas do setor das tecnologias de informação, bem como a “ambição” da autarquia em afirmar este território como um “’hub’ tecnológico para o mundo global”.
Entre os fatores, pesou igualmente o facto de estar criada uma rede com as instituições de ensino superior, nomeadamente a Universidade da Beira Interior, o Instituto Politécnico de Castelo Branco e Instituto Politécnico da Guarda, a existência de acessibilidades ao nível do mundo digital e a facilidade para interagir com os outros dois centros descentralizados do grupo, que estão em Tomar e Viseu.
Esta é também “a oportunidade de o Fundão voar ainda mais alto”, apontou o presidente da IBM Portugal, depois de citar o princípio que tem sido seguido pelo município ao nível do plano de educação educacional e que passa por “criar raízes e dar asas” aos mais novos.
Um contributo que foi reconhecido pelo presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, que sublinhou a importância que este centro tem para consolidar e desenvolver o “ecossistema” tecnológico do concelho e também para “motivar” os mais novos.
Para Paulo Fernandes, a opção de fixar este laboratório no concelho é também um importante contributo para afirmar os territórios de baixa densidade e ajudar a acabar com o estigma do interior.
“Seguramente, decisões como esta são, talvez, o que de melhor se pode fazer para acabar com esse estigma e colocarmos todo o território nacional a criar valor”, afirmou.
Para já o centro fica instalado no edifício do Mercado Abastecedor, na zona industrial, mas o autarca garantiu ainda que o município já está a trabalhar com vista a transferir a estrutura para o coração da cidade.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.