Derrocada em trilho na Madeira provocou 11 feridos 

Data:

A derrocada ocorrida no Caldeirão Verde, concelho de Santana, no norte da Madeira, provocou 11 feridos, dois dos quais com gravidade, segundo um balanço final da Proteção Civil.  De acordo com o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira, José Dias, seis vítimas são francesas, duas portuguesas, duas alemãs e uma brasileira.
Em conferência de imprensa no Funchal, o responsável adiantou que as duas vítimas graves, uma portuguesa e outra francesa, foram encaminhadas para o Hospital do Funchal e as restantes para o Centro de Saúde de Santana.
O balanço anterior, realizado por fonte do Governo Regional da Madeira, apontava para, pelo menos, seis feridos.
O acidente ocorreu às 13:57, tendo a operação de salvamento envolvido 19 viaturas, um helicóptero e 70 operacionais de várias corporações de bombeiros e forças de segurança.
“Não tivemos nenhuma morte, nem ninguém soterrado”, disse, por seu lado, o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, que indicou que as duas pessoas transportadas para o Hospital do Funchal encontram-se em estado de “gravidade elevada”.
O secretário regional adiantou que a doente com uma lesão mais grave, nomeadamente a amputação de um membro superior, foi encaminhada para o Bloco Operatório do Hospital do Funchal e que a outra vítima atingida também com gravidade, designadamente um traumatismo crânio encefálico seguiu para a Unidade de Cuidados Intensivos.
Realçou ainda o acompanhamento de cuidados psicológicos e apoio na tradução aos familiares das vítimas.
O secretário regional do Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, salientou, por seu lado, que a orografia da Madeira predispõe-se a acidentes desta natureza.
“Qualquer atividade ao ar livre incorpora um risco, aquele trilho é recomendado e foi intervencionado já este ano, teve varandins novos, pisos melhorados, este tipo de circunstâncias é imprevisível e nada tem a ver com aquilo que, nós, o homem, pode dominar sobre a situação”, observou.
A derrocada ocorreu cerca das 14:00 junto à lagoa do Caldeirão Verde, por onde passa uma levada que tem uma extensão de 6,5 quilómetros e um tempo médio de percurso de cinco horas e meia, sendo muito procurada por turistas.
A queda de pedras atingiu os caminhantes num momento em que estavam a descansar.
A levada do Caldeirão tem início e fim no Parque Florestal das Queimadas e oferece ao caminhante vistas da orografia do interior da ilha, a uma altitude de 990 metros.
O trilho será encerrado para avaliação.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.