Construtora Casais defende agilização da vinda para Portugal de trabalhadores dos PALOP

Data:

O presidente do conselho de administração da construtora Casais defendeu uma agilização burocrática que facilite a vinda para Portugal de trabalhadores dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), para colmatar a falta de mão-de-obra no setor.
“Já trazemos gente de Moçambique, de Cabo Verde e da Guiné, mas com alguns problemas para os quais temos vindo a chamar a atenção dos embaixadores desses países e do próprio Governo, para que facilitem a contratação desses trabalhadores, que em termos burocráticos não é fácil. Esta é uma das medidas que vai ser importante tomar ou daqui a dois/três anos não vamos ter mão-de-obra, que já está a faltar”, afirmou José da Silva Fernandes em declarações à agência Lusa.
Segundo o empresário, há já algum tempo que a falta de mão-de-obra tem vindo a ser um problema para o setor e, apesar do trabalho feito com as associações da construção, “continua a ser um problema” que tende a agravar-se, até por questões demográficas.
“Temos vindo a trabalhar com as associações na formação, mas não chega, porque há apetência dos jovens para irem para outras áreas e a construção civil é um trabalho mais duro”, sustentou, reforçando: “É preciso diretrizes que têm de vir de cima”.
Apesar de satisfeito com a retoma do setor da construção, que tem permitido ao grupo de Braga “angariar obras interessantes de norte a sul do país”, José da Silva Fernandes alerta para “a crise que se adivinha nos próximos dois anos”, antecipando que “vão ser anos com menos investimento, quer em Portugal, quer na Europa”.
Quanto à emissão obrigacionista de 18,5 milhões de euros realizada em fevereiro pelo grupo Casais, diz ter sido “para incentivar alguns projetos em preparação na área do imobiliário, hotelaria, escritórios, habitação e serviços, sobretudo em Portugal”.
O grupo Casais evoluiu em 60 anos de um pequeno negócio para um grupo de construção com 4.500 trabalhadores e atividade em 16 países (Portugal, Alemanha, Angola, Bélgica, Gibraltar, Holanda, França, Marrocos, Moçambique, Brasil, Qatar, Argélia, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos, Espanha e EUA), tendo terminado 2018 com um volume de negócios agregado de 445 milhões de euros (mais 110 milhões do que no ano anterior), dos quais 319 milhões no exterior, sobretudo em Angola.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.