Memórias de uma fábrica de olaria cujos fornos se apagaram em 1986

Data:

A ausência de oleiros, a desatualização dos equipamentos e a crise da década de 1980 levaram a Fábrica Regalado, em Ovar, a apagar os fornos em 1986, mas “cinco olhares” retratam agora as suas memórias, numa exposição de fotografia.

“Confesso que não consigo valorizar o espaço porque nasci aqui, vejo isto todos os dias e vejo com uns olhos diferentes dos que cá vêm pela primeira vez, mas, de facto, é quase unânime que as pessoas que aqui vêm ficam encantadas com o espaço”, afirmou hoje, em declarações à Lusa, o neto dos proprietários da antiga fábrica de olaria, José Eduardo Regalado.

“Cinco Olhares sobre a Fábrica Regalado”, a exposição, nasce assim de um convite a cinco fotógrafos — Fernando Andrezo, Pedro Brás Marques, João Carlos Pinto, Luís Rodrigues e José Santa Clara — que revisitam as velhas instalações fabris e as revelam, em cerca de duas dezenas de imagens, que ficam patentes no Porto, a partir de sábado.

Segundo José Eduardo Regalado, a história da fábrica remonta ao final do século XIX, mais concretamente a 1898, ano em que os seus avós paternos decidiram construir uma olaria, no rés-do-chão da casa onde viviam.

“Era algo muito antigo, muito arcaico. Inicialmente, era apenas uma olaria que fabricava vasos, jarras, alguidares e tigelas pequenas”, contou José Eduardo, adiantando que os produtos seguiam “em carros de bois” até ao horto do Porto ou às feiras das redondezas de Ovar, como a de Arrifana ou Vale de Cambra.

Durante a década de 30, chegaram a trabalhar “simultaneamente”, na fábrica, seis oleiros, sendo a maioria membros da família de José Eduardo, como o pai, os tios e os primos.

Quando o pai de José Eduardo “assumiu” o negócio, em 1935, decidiu “modernizá-lo”, comprando novas máquinas e dando início à produção de tijolos e telhas para a construção civil.

Contudo, foi entre o final da década de 40 e início da década de 50 que “tudo mudou”. A Fábrica Regalado deixava a casa dos avós paternos de José Eduardo, e instalava-se num novo edifício.

“Era uma necessidade aumentar a produção e fazer uma grande ampliação. Foi construído um edifício de três pisos para a secagem dos materiais e, no rés-do-chão foram construídos dois fornos e uma chaminé para fazer a exaustão dos fumos da cozedura”, explicou.

Apesar de não ter memória ou algum registo sobre quanto produzia a fábrica na época, José Eduardo recorda-se de que foram estas melhorias que permitiram uma maior produção, mas também maior qualidade.

“Nós vendíamos tudo o que fabricávamos. Tínhamos de facto muita qualidade, mas não tínhamos uma grande produção, aliás, a produção era limitada”, frisou.

José Eduardo adiantou, contudo, que o negócio “não resistiu” à ausência de mão de obra qualificada, à crise financeira da década de 80, que se fez sentir em Portugal, e à desatualização dos equipamentos e máquinas, tendo encerrado “definitivamente” em 1986.

“Estas circunstâncias fizeram com que a fábrica não resistisse e tivesse este desfecho”, referiu.

Contudo, a história da Fábrica Regalado não termina assim.

Consciente do potencial do espaço que outrora deu lugar à produção de vasos, tijolos e telhas, José Eduardo decidiu falar com os cinco fotógrafos amigos: Fernando Andrezo, Pedro Brás Marques, João Carlos Pinto, Luís Rodrigues e José Santa Clara.

“Mal começaram a disparar, percebi o quanto valorizavam o espaço”, salientou José Eduardo.

As memórias que o espaço ainda conserva, como os dois fornos e a chaminé, foram materializadas em mais de duas dezenas de fotografias que constituem agora a exposição “Cinco Olhares sobre a Fábrica Regalado”.

A viagem pelo espaço à Fábrica Regalado pode ser vista a partir de sábado e até ao dia 26 de novembro, na Casa do Vinho Verde, no Porto.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.