Museu dos Coches vai ser o primeiro a lançar um guia em árabe

Data:

O Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, vai ser o primeiro do país a lançar um guia do visitante em língua árabe, no final de outubro, revelou a diretora, Silvana Bessone.

O guia – que será lançado a 30 de outubro, nas instalações do Museu dos Coches – resulta de um projeto que contou com o apoio da Embaixada dos Emirados Árabes em Lisboa.

Será o primeiro museu português a disponibilizar um guia próprio dedicado aos visitantes do mundo árabe, como sublinhou a diretora, Silvana Bessone, em declarações à agência Lusa.

“O meu sonho foi sempre criar guias do visitante noutras línguas, porque reparei que os visitantes estrangeiros têm muito prazer em encontrar um livro sobre o museu escrito na sua língua materna”, comentou.

Quando o Museu dos Coches foi instalado no novo edifício, em 2015, a diretora criou guias do visitante – que contêm informação em imagem e em texto, incluindo informação sobre a história do museu – em português, francês, inglês e espanhol.

No ano seguinte foi a vez do mandarim ter também o seu guia do visitante, e, este ano, após contactos com a Embaixada dos Emirados Árabes, em Lisboa, foi possível criá-lo em árabe.

Silvana Bessone indicou que o museu teve apoio do embaixador de Portugal na Arábia Saudita, Luís Ferraz, que conseguiu a tradução, e depois os serviços culturais da embaixada dos Emirados, que apoiaram na paginação e patrocinou mil exemplares do livro.

Questionada sobre o número de visitantes que falam árabe, a diretora disse que “vêm sobretudo em grupos, não são muitos, mas é importante disponibilizar este tipo de apoio, que qualquer visitante aprecia”.

“O museu possui os áudio-guias em português e em inglês, mas os visitantes gostam de comprar na loja o guia em livro na sua língua materna, porque é algo especial”, reiterou.

“Eu tenho passado por muitos museus noutros países e sei que é muito raro encontrar estes guias em árabe”, apontou, acrescentando que “acaba por ser, também um contributo do museu para a aproximação entre culturas”.

Silvana Bessone quer estender os guias do Museu dos Coches a outras línguas como o russo e o japonês, que estão nos seus planos futuros.

O novo Museu dos Coches, em Belém, desenhado pelo arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, foi inaugurado em 2015 para colher uma coleção única no mundo de viaturas de gala e de passeio do século XVII ao século XIX.

Na sua maioria, as viaturas antigas – coches, berlindas, carruagens, caleças, ´coupés´, liteiras e cadeirinhas – são provenientes dos bens da coroa ou propriedade particular da Casa Real portuguesa.

Entre as peças encontra-se o “Coche dos Oceanos”, que fez parte, em 1716, da embaixada enviada por D. João V ao papa Clemente XI.

O edifício novo é composto por dois edifícios com quatro pisos, duas salas de exposição permanente, uma sala de exposições temporárias, auditório, serviço educativo, um laboratório, oficinas, zonas técnicas e administrativas.

O museu foi originalmente criado em 1905, pela rainha D. Amélia, para preservar o importante acervo de viaturas da Casa Real no Picadeiro Real, antigas instalações que continuam também abertas ao público.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.