Festival Verão Azul leva a três cidades algarvias mais de 30 propostas culturais

Data:

Espetáculos de dança, flamenco futurista e teatro documental são algumas das mais de 30 propostas do festival internacional de artes Verão Azul, que decorre entre hoje e 02 de novembro em três cidades algarvias.

A 9.ª edição do festival, que assumiu o formato bienal, é inspirada na obra “Pela Estrada Fora”, de Jack Kerouac, e vai levar a Loulé, Faro e Lagos mais de 30 eventos nas áreas do teatro, dança, música, performance, artes visuais e cinema.

Catarina Saraiva, curadora do festival, contou à Lusa que a programação explora “linguagens mais experimentais que apresentam outras maneiras de pensar a arte” e também a forma como o público e o território podem relacionar-se com os artistas.

Em 2018 decorreram várias residências artísticas que deram origem a alguns dos projetos que integram a programação do festival, cuja edição anterior tinha sido em 2017, o que permitiu também “fazer crescer” o festival e aprofundar a sua relação com o território.

É o caso dos projetos “Coleção de Artistas”, de Raquel André, de “Entre Cães e Lobos”, do artista brasileiro Gustavo Ciríaco, e de “The Walk#2”, um projeto de Cátia Pinheiro que se desenrola no espaço público com saídas individuais para conduzir os espectadores numa “viagem única e pessoal”.

Outros projetos envolvendo a comunidade são os do coletivo chileno MilM2 (mil metros quadrados), que vai percorrer as ruas de Faro (19 e 20 de outubro) e Quarteira (26 e 27 de outubro) com o “Proyecto Pregunta”, e “Burn Time”, do coreógrafo André Uerba, performance que vai contar com a participação de dez pessoas da comunidade local selecionadas numa audição limitada a 25 participantes.

Com direção artística de Ana Borralho e João Galante, a programação apresenta criações internacionais do coreógrafo italiano Alessandro Sciarroni, distinguido este ano com o Leão de Ouro da Bienal de Dança de Veneza, ou Niño de Elche, conhecido pelo seu flamenco futurista.

A inauguração da exposição “Expats”, de André Príncipe, que ficará patente até 22 de dezembro na Associação 289, em Faro, e a estreia da peça de teatro documental “Mining Stories”, em Loulé, marcam hoje o arranque do festival.

A peça, da autoria da dupla belga Silke Huysmans e Hannes Dereere e que será pela primeira vez apresentada em Portugal, aborda um dos maiores desastres do Brasil: o rebentamento de uma barragem que em 2015 devastou várias aldeias.

Niño de Elche, nome artístico de Francisco Molina, apresenta o seu flamenco futurista na sexta-feira, no Teatro das Figuras, em Faro, com o seu mais recente projeto, “Colombiana”, cujas sonoridades remetem para os territórios do Caribe e Afro-andaluzes.

O concerto-performance “Storm Atlas”, da companhia de dança italiana Dewey Dell, sobe ao palco do mesmo teatro no dia 24 de outubro, para tentar mostrar a ligação entre som e movimento, onde músicos tocam ao vivo através de uma coreografia.

O Teatro das Figuras recebe ainda, no dia 26, “CHROMA_don’t be frightened of turning the page:”, de Alessandro Sciarroni, descrito pela organização do festival como “um solo de dança hipnótico inspirado nos fluxos migratórios dos animais”.

Em 2019, o coreógrafo e bailarino italiano, que esteve há semanas no Festival Materiais Diversos, recebeu o Leão de Ouro da Bienal de Dança de Veneza, que já distinguiu outros nomes da dança contemporânea, como Pina Bausch, Anne Teresa De Keersmaeker ou Lucinda Childs.

Em estreia mundial, é apresentado o projeto “In Between”, da artista polaca Paulina Szcesna, desenvolvido no âmbito do programa Shock Lab – Práticas Criativas em Contextos Periféricos, realizado em Faro e Loulé em 2018.

Trata-se de uma performance de 20 minutos entre a artista e um espectador, um encontro de costas com costas e onde não vale olhar para trás, que requer inscrição prévia para o endereço eletrónico info@festivalveraoazul.com.

Com entrada gratuita, “In Between” é apresentado hoje, sábado e no dia 25 no Cine-Teatro Louletano e, em Faro, no Teatro das Figuras, na sexta-feira e nos dias 24 e 26.

Para dia 27, em Loulé, está marcada outra estreia mundial, a peça de dança e teatro com adolescentes e crianças “A Laura Quer!”, de Sílvia Real, em cocriação com o Grupo 23: Silêncio! e Francisco Camacho.

O encerramento do festival está a cargo de Tó Trips e Tiago Gomes, que apresentam a dia 02 de novembro, no Centro Cultural de Lagos o espetáculo-viagem “On the Road” (“Pela Estrada Fora”), baseado no livro homónimo de Jack Kerouac.

Integrado na programação do 365 Algarve, o festival, que teve a sua primeira edição em 2011, em Lagos, é produzido pela associação cultural casaBranca.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.