Menos 32% de escritórios em Lisboa colocados no mercado em setembro

Data:

Em setembro de 2019 foram colocados 11.407 metros quadrados (m2) de escritórios em Lisboa, menos 32% do que no período homólogo de 2018, quando foram colocados 16.659 m2, divulgou a consultora imobiliária Savills Portugal.

Apesar da queda registada, a consultora salienta que o mercado de escritórios em Lisboa continua a seguir uma “boa trajetória”.

Quanto à organização geográfica, os destaques vão para as zonas do eixo do Campo Grande à Segunda Circular, zona de Benfica, Praça de Espanha e Sete Rios, que representou 34% do total, e do eixo da Avenida da Liberdade à Praça Duque de Saldanha, que representou 28%.

“O ano de 2019 continua positivo face ao ano passado, sinal de que o mercado tem conseguido absorver uma boa parte da procura de que é alvo, provando ser alvo de uma vitalidade crescente com o número de transações registadas em setembro a ultrapassar as do período homólogo, não conseguindo porém dar resposta a procuras imediatas nem a procuras por grandes espaços”, afirma, em comunicado, o diretor de agência da Savills, Rodrigo Canas.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.