Comunidade Portuguesa na Suíça debate violência doméstica durante três dias

Data:

Os problemas e consequências da violência doméstica, por vezes com casos fatais, na comunidade portuguesa na Suíça vão estão em debate num encontro promovido pela associação Change Mind – Global Aid em Lausanne e Zurique. As Jornadas sobre Violência Doméstica, que decorrem entre sexta-feira e domingo, são a primeira iniciativa desta associação, com sede em Lucerna, na comunidade portuguesa na Suíça e têm como objetivo colaborar de “forma efetiva” para “combater a violência doméstica, quaisquer que sejam as suas formas de manifestação, promovendo o diálogo, o debate, a troca de experiências e boas práticas”.

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da iniciativa em Portugal, João Pedro Gaspar, explicou que a Change Mind – Global Aid (CMGA) é uma associação que se preocupa com a comunidade portuguesa a residir na Suíça, mas também em Portugal, onde tem participado em diversas iniciativas e defendido várias causas.

“Desta vez, dada a preocupação crescente com os dados que vão surgindo de violência doméstica junto da comunidade portuguesa na Suíça, decidiu levar a cabo esta iniciativa”, disse o investigador da Universidade de Coimbra e coordenador da Plataforma de Apoio a Jovens (Ex)acolhidos (PAGE).

Em comunicado, a associação diz acompanhar com “profunda tristeza e preocupação” os casos veiculados pela comunicação social suíça que envolvem vítimas ou agressores de nacionalidade portuguesa.

Em Portugal, afirma, “a violência doméstica foi durante anos um problema camuflado, de que não se falava. Era socialmente aceite. Ainda hoje se ouve com frequência “entre marido e mulher, não se mete a colher”.

“Sendo a comunidade portuguesa uma das mais representadas na Suíça, preocupa-nos a reprodução destes comportamentos, no seu seio”, refere a CMGA.

Sublinha ainda que, “tendo em conta que apenas os casos mais graves e que culminam em homicídio são divulgados, desconhecendo-se a quantidade de vítimas que sofrem em silêncio”, é urgente “prevenir” e “combater” este fenómeno.

“A nossa diáspora acaba por refletir um pouco aquilo que são os costumes, neste caso péssimos costumes, que se relacionam com tudo o que é violência doméstica”, acrescentou João Pedro Gaspar

Na sua intervenção nas jornadas, o investigador irá abordar “as consequências duradouras da violência doméstica” nomeadamente nas crianças que assistem à violência doméstica entre os pais.

“Falamos de muitos milhares de crianças que anualmente assistem a situações de violência familiar, uma situação que depois se reflete na sua vida futura”, disse.

“O que se passa na infância, não fica na infância” e com este flagelo, “estamos a hipotecar gerações”, rematou.

Apoiadas pela Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, as jornadas pretendem “mobilizar a comunidade científica e técnica ou outros que de alguma forma atuem neste domínio, para as especificidades deste fenómeno”.

O encontro conta com a participação de jovens, pais, professores, movimentos associativos, técnicos de serviço social, estudantes.

Conta ainda com a presença do cônsul-geral de Portugal em Genebra, Bruno Paes Moreira, e da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.