Sala do Tesouro de Machico mostra “riquezas” que estavam guardadas em armários

Data:

A cidade de Machico abriu ao público a Sala do Tesouro, na Igreja Matriz, com “peças únicas e raras”, na sequência de investimento de 40 mil euros do Governo regional, no restauro deste espaço, disse o presidente madeirense.

Miguel Albuquerque visitou a Sala do Tesouro, localizado na Capela do Terço da Igreja Matriz, e recordou que, numa deslocação anterior àquele espaço religioso, verificou que “o próprio tesouro da igreja [se encontrava] dentro dos armários”, num conjunto de “pratas e peças de ourivesaria”, a que se juntavam um almofariz e uma cruz processional.

Na altura, “decidimos expor este património único e singular da Madeira e de Machico, e combinámos abrir a Sala do Tesouro”, disse o governante, acrescentando que foi efetuado um “investimento baixo de 40 mil euros, no arranjo da Capela do Terço”, tendo o trabalho de restauro sido efetuado pelo “pessoal da Direção Regional dos Assuntos Culturais da Madeira”.

Miguel Albuquerque disse que o acesso à Sala do Tesouro é “livre ao público, sendo mais uma atratividade do ponto de vista turístico, importante, pela sua qualidade”, para Machico, o concelho no extremo leste da Madeira, e para a região.

O “tesouro” está na instalado na sala da capela adossada à matriz, na fachada sul, a Capela do Terço, que foi edificada pelos paroquianos, em 1770, com arquitetura leal ao gosto barroco.

A informação disponibilizada pelo gabinete da Presidência do Governo madeirense refere que “este tesouro” é “composto por peças de ourivesaria sacra (prata e prata dourada), muitas ainda usadas em épocas festivas culturais” e “abarca a produção nacional e regional, desde inícios do século XVI ao século XIX”.

Realça igualmente que a igreja matriz de Machico, e outros templos religioso da região receberam “ofertas régias, desde D. Manuel I” e “ofertas das confrarias e de muitos fiéis, que ao longo dos séculos” que foram ”enriquecendo o seu tesouro”.

A nota menciona que “algumas peças apresentam marca de ourives o que enriquece a informação sobre a peça”.

É destacada uma Patena (salva para consagração do pão e do vinho, nas oficinas religiosas), de uma oficina flamenga, do início do século XVI, de prata incisa; uma Cruz processional, de oficina madeirense, do início do século XVII, em prata relevada e incisa, assim como diversas Varas de Pálio; um Cálice, de oficina nacional, de meados do século XVII, e uma Naveta, de uma oficina de Lisboa, datada de 1730-1750, ambos também em prata relevada e incisa.

Miguel Albuquerque adiantou estar em curso um projeto de recuperação e reabilitação do Convento de Santa Clara, que considerou ser “uma obra única”, avaliado em dois milhões de euros.

“Vai custar mais a vai concretizar”, destacou, enfatizando que é “um trabalho estrutural de dois anos”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.