Universidade do Minho e Câmara de Braga querem Convento de S. Francisco como “polo de atração”

Data:

A Universidade do Minho e a Câmara de Braga querem requalificar o Convento de S. Francisco de Real, em Braga, para tornar o complexo num “polo de atração turística e cultural regional, nacional e internacional”, anunciou  a academia.
Em declarações à Lusa, o reitor da Universidade do Minho, (UMinho), Rui Vieira de Castro, explicou ser objetivo da instituição instalar no Convento de S. Francisco “a sua unidade de Arqueologia” que, entre 2013 e 2017, tem vindo a “trabalhar em várias áreas para permitir a reabilitação do convento”.
Com este projeto, denominado “Conservação, Valorização e Promoção do Convento de São Francisco de Real, Braga”, que será levado a cabo em parceria com o município, a Direção Regional de Cultura do Norte e a Paróquia de Real, a UMinho quer “reforçar o impacto positivo” da academia na “sociedade e no território, consolidando a sua forte aposta na inovação social e cultural”.
“Este é um edifício que nos é muito caro, não só pelo potencial arqueológico e arquitetónico, mas também pelo impacto social, cultural e até turístico que pode ter na sociedade. O envolvimento da universidade neste projeto também reflete a nossa filosofia de contribuir para o desenvolvimento do território em que estamos instalados”, explicou Rui Vieira de Castro.
Depois de recuperado, o Convento de São Francisco de Real vai ser integrado num circuito de visita que contempla, também, o Mausoléu de S. Frutuoso e a Igreja de S. Francisco de Real.
O projeto pretende também “responder às expectativas da sociedade e ao desafio de valorizar os recursos endógenos das regiões e do país”, adiantou o reitor.
A Câmara de Braga, proprietária do complexo, vai assumir a candidatura ao financiamento pelo Programa Operacional Regional do Norte (Norte 2020).
Segundo a academia, o acordo quadripartido, que será assinado na terça-feira, “reflete a vontade conjunta das quatro instituições em promover o valioso património constituído pelos três edifícios, que corporizam um conjunto com elevado potencial para o desenvolvimento do turismo cultural e religioso”.
Após a recuperação do Convento de S. Francisco, a UMinho ficará responsável pela gestão do circuito de visita, que “tirará partido” do Mausoléu de S. Frutuoso, Monumento Nacional desde 1944, e da Igreja de S. Francisco de Real, que integra como bens móveis classificados o Cadeiral.
“Os impactos positivos que a investigação, conservação e valorização deste local terão no norte do país, e no reconhecimento de Braga como referência pelos padrões europeus e internacionais da recuperação arquitetónica e na arqueologia, vão afirmar a cidade como destino cultural e turístico de excelência”, considerou Rui Vieira de Castro.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.