Central de Cervejas adquire Água Castello

Data:

A Central de Cervejas reforça o seu portefólio que já integra a Água de Luso e Água do Cruzeiro

A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, acabou de adquirir a um grupo de investidores privados liderado pela Capital Criativo, 100% do capital da Mineraqua Portugal, que detém a concessão e a marca Água Castello, uma marca centenária de água mineral natural gaseificada, histórica e de referência no mercado nacional.
A Central de Cervejas, que no seu grupo integra a Novadis, a Sociedade de Água de Luso e a Hoppy House Brewing, fortalece com esta aquisição da marca Água Castello a presença no mercado das águas minerais naturais em Portugal.
Refira-se que esta marca de água gaseificada vendeu cerca de cinco milhões de litros em 2018, número que, segundo os dados da AC Nielsen, representa uma quota de cerca de 7% em volume do mercado das águas com gás em solo luso.
A Água Castello tem a sua unidade de enchimento em Pisões, Moura, no Alentejo, ecossistema que confere características únicas e diferenciadas a esta água mineral natural gaseificada.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.