Conselheira diz que autarquia australiana quer promover outras oportunidades com portugueses

Data:

A conselheira das comunidades portuguesas na Austrália, Melissa Silva, disse que a autarquia de Inner West, que aprovou o nome de “Little Portugal” (“Pequeno Portugal”) para uma praça, já manifestou vontade de desenvolver outras iniciativas com portugueses.

“No dia do anúncio oficial da designação de ‘Little Portugal’ para a praça, conversámos com o ‘mayor’ [presidente da câmara] da cidade, e este manifestou a vontade de construir outras oportunidades com a comunidade portuguesa, a vontade de trabalhar com a comunidade”, afirmou à Lusa, por telefone, a conselheira.

A autarquia de Inner West, na Austrália, aprovou esta semana o nome de “Little Portugal” para a praça da cidade onde se concentra o maior número de lojas portuguesas, confirmou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

Para a conselheira Melissa Silva, “esta decisão da autarquia é o reconhecimento da contribuição da comunidade portuguesa” para aquela zona da Austrália e o resultado de um acordo assinado em março de 2018, entre a autarquia australiana de Inner West e o Ministério dos Negócios Estrangeiros, bem como do trabalho do consulado português na região, próxima da cidade de Sidney.

“Trata-se de uma decisão que culmina um conjunto de iniciativas institucionais, quer da parte da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, quer do nosso consulado geral em Sidney, quer da Embaixada, em Camberra, e que corresponde a um compromisso estabelecido em março de 2018 para criarmos no bairro de Petersham uma praça dedicada a Portugal”, disse José Luís Carneiro.

Segundo o governante, a autarquia “quis fundamentalmente reconhecer a presença histórica da comunidade portuguesa e o seu contributo para o desenvolvimento de Sidney e daquela região”.

“Esta foi uma primeira fase, a da criação de uma praça já com o nome de Portugal, porque outras iniciativas estão previstas [no acordo de 2018], nomeadamente intervenções na qualificação do espaço urbano e a alteração de placas toponímicas”, adiantou o secretário de Estado.

Além da requalificação da praça, está também prevista a possibilidade de haver ruas que possam ter nomes de Portugal e de símbolos históricos e literários nacionais, bem como o embelezamento do espaço da praça e sua envolvente com arte urbana, um bairro abrangido pelo mesmo nome, cujos limites não estão definidos, admitiu.

“Temos também portugueses que se querem associar à recuperação”, até porque ali existem muitos ligados à construção civil, frisou José Luís Carneiro.

Melissa Silva também admitiu a ambição de poder ir até um bairro com o nome de “Little Portugal”, mas prefere deixar para as entidades locais e Governo português as decisões sobre essa matéria.

Por enquanto, vai assegurando que a Comunidade Portuguesa da região de Sidney “está muito entusiasmada” com o projeto da praça “Little Portugal”, onde existem mais de dez lojas portuguesas e os emigrantes portugueses gostam de se deslocar e estar.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.