Jovens canadianos estiveram em Portugal para uma imersão intensa na língua portuguesa

Data:

Dezanove alunos do curso de Português da Universidade de Toronto, estiveram em Lisboa para um mês de ‘imersão’ na língua portuguesa. Foi a segunda edição do ‘Programa de Verão’ em Portugal organizado por aquela universidade canadiana e decorreu no Instituto de Cultura e Língua Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

O Centro de Cultura e Língua Portuguesa (ICLP), da Universidade de Lisboa, voltou a receber um grupo de estudantes do curso de Português da Universidade de Toronto ao abrigo do ‘Programa de Verão’ (Summer Abroad) que aquela universidade canadiana realiza anualmente em diferentes países.
Em Portugal, o ‘Programa de Verão’ é dinamizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Esta universidade portuguesa realiza, há mais de oito décadas, um Curso de Verão de Português Língua Estrangeira, que recebe anualmente centenas de alunos de todo o mundo. Tem a duração de um mês e acontece em julho, agosto e setembro, em regime intensivo, com aulas das 9h às 13h, de segunda a sexta.
Durante um mês, de 29 de junho a 26 de julho, o ICLP recebeu 19 alunos da Universidade de Toronto que fizeram uma ‘imersão’ intensa na língua portuguesa: melhoraram os seus conhecimentos em termos de oralidade, escrita e leitura utilizando sempre o português como a língua de trabalho.
Anabela Rato, professora auxiliar no Departamento de Espanhol e de Português da Universidade de Toronto e responsável pela coordenação das atividades do Programa de Português naquele departamento, revela que o número de candidatos voltou a superar as expetativas, tendo sido 19 os estudantes selecionados – 14 alunas e 5 alunos –, maioritariamente de nacionalidades canadiana e chinesa, para marcarem presença no ‘Programa de Verão’ em Portugal de 2019.
Quatro dos alunos frequentam os níveis intermédios B1 e B2 e os restantes 15 alunos estão inscritos nos níveis iniciais, A1 e A2.
Anabela Rato, que tem estado desde o início à frente deste projeto e esteve em Lisboa a acompanhar os alunos, diz que as vantagens desta oportunidade para os estudantes “são inequívocas”.
“É dada aos alunos uma oportunidade extraordinária não só para aperfeiçoarem o seu domínio na língua portuguesa como também para construírem conhecimento sobre a cultura lusófona, numa interação muito rica com falantes nativos, num contexto de imersão que nenhuma outra aula poderia substituir”, explica.

Em Portugal, o ‘Programa de Verão’ da Universidade de Torornto é dinamizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Segunda edição em Portugal

No ano passado, pela primeira vez, o programa incluiu alunos de Português, que puderam assim frequentar um curso intensivo em língua portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Na altura, Anabela Rato destacava ao ‘Mundo Português’ a inclusão do português no Programa de Verão’.
“Não tinha havido ainda nenhum curso de verão para alunos em português ou num país de expressão portuguesa. E começamos por Portugal”, congratulava-se a responsável que em 2018 esteve em Lisboa a acompanhar os 17 estudantes canadianos que frequentaram o curso de um mês na Universidade de Lisboa.
Na edição deste ano, o número de candidaturas voltou a demonstrar o sucesso do ‘Programa de Verão’ para alunos de português.
“O número de candidaturas continua a superar as nossas expetativas, o que demonstra o enorme interesse que a aprendizagem da língua portuguesa e da cultura lusófona suscita entre os nossos alunos”, destaca Anabela Rato.
A responsável destaca ainda a “grande satisfação” que os professores têm ao perceberem que os estudantes “não querem desperdiçar esta oportunidade”.
“Acreditamos que esta adesão traduz, igualmente, o interesse que, enquanto docentes, procuramos transmitir aos alunos, em relação ao mundo lusófono, em toda a sua diversidade e em toda a sua riqueza”, alegra-se.
A professora revela que a inclusão de alunos de Português no ‘Programa de Verão’ da Universidade de Toronto “era um desafio que tinha em mente” quando chegou àquela academia canadiana.
E assume que esta “foi mesmo uma aposta ganha, por parte do Departamento de Espanhol e de Português, em particular, e da própria Universidade de Toronto, em geral”.

Anabela Rato, professora auxiliar no Departamento de Espanhol e de Português da Universidade de Toronto (ao centro), com Nélia Fernandes e Jorge Pinto, coordenadores dos cursos do ICLP

Uma “língua mundial em crescimento”

Tanisha Patrick já conhecia Portugal, por conta de viagens curtas que lhe deram a conhecer Lisboa, Sintra e Porto.
Por isso, quando soube que Portugal havia sido adicionado ao ‘Programa de Verão’, percebeu que teria ali “a oportunidade perfeita para aprender o idioma”.
“Achei que estudar português num ambiente imersivo aceleraria a minha aprendizagem. O meu objetivo era ter uma base sólida do idioma, especialmente porque eu estava planeando concentrar-me em aprender português ‘brasileiro’ numa data posterior”, revela ao ‘Mundo Português’.
Sobre a frequência do programa em Portugal, assume que aprendeu muito mais sobre a cultura lusófona em todo o mundo. “Ajudou a ampliar a minha visão do português como uma língua mundial em crescimento”, garante.
Diz que o programa intenso de aprendizagem ao longo de um mês ajuda a “absorver” e a tornar mais fácil aplicar o que aprendeu.
“Não tinha a certeza de que iria continuar os estudos formais em Português quando entrasse no meu último ano na universidade, mas a minha experiência foi tão positiva que me matriculei em mais aulas de Português na minha chegada em Toronto”, explica.
E no regresso a Toronto, levou ainda algo mais do que as novas competências em Português.
“Eu adorei conhecer novas pessoas – os meus colegas de turma eram da China, Colômbia, Inglaterra, França e Rússia, – o pequeno tamanho da turma e as excursões oferecidas pela universidade”.

Desenvolver o “domínio em português”

Cindy Vieira explica que necessitava frequentar uma aula que satisfizesse o ‘Breadth Requirement para Arts, Literature & Language’.
Mas ao participar no ‘Programa de Verão’ percebeu que “há mesmo um grande interesse pela língua e pela cultura portuguesas, internacionalmente”. “Eu sempre quis participar no ‘Programa de Verão’, mas, inicialmente tinha a ideia de ir para o programa em Espanha, porque não havia em Portugal. Porém, quando eu vi que, em 2018, ia ser oferecido em Portugal, pela primeira vez, eu imediatamente quis concorrer”, conta.
A oportunidade surgiu este ano e Cindy Vieira diz que o mês que passou em Lisboa foi importante em todos os sentidos.
Apesar de Portugal não ser um destino desconhecido para esta lusodescendente, já que esteve no país com a família, por mais do que uma vez, o mês que passou na Faculdade de Letras de Lisboa teve uma importância acrescida pelo facto de não ter só melhorado os seus conhecimentos da língua portuguesa em contexto de sala de aula, como também se viu a falar “com os cidadãos de Lisboa” e isto, afirma, “ajudou-me a desenvolver o meu domínio em português”.
À semelhança de Tanisha Patrick, Cindy Vieira também levou desta experiência mais do que um melhor conhecimento da língua portuguesa.
O ‘Programa de Verão’ em Lisboa, deu-lhe ainda a possibilidade de frequentar atividades que aumentaram o seu conhecimento da cultura e história portuguesas.
Passeios oferecidos pela Universidade de Lisboa, como os que fez a Sintra e a Mafra ou ainda a visita ao Museu do Azulejo, tornaram esta experiência em Portugal ainda mais interessante.
Mais informações sobre o ‘Programa de Verão’ (Summer Abroad) estão disponíveis em: https://summerabroad.utoronto.ca/programs/portugal/

Ana Grácio Pinto

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.