Futuro de Bruno de Carvalho como sócio do Sporting decide-se este sábado

Data:

O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho sabe no sábado se o recurso da decisão da sua expulsão de sócio é ou não validado em Assembleia-Geral (AG), à qual anunciou já não ir comparecer.

Bruno de Carvalho revelou na terça-feira a ausência na reunião magna, alegando discordar dos moldes de funcionamento decididos pela Mesa da AG. Em causa, está a abertura da votação dos sócios antes de poder apresentar a defesa – para a qual teria 15 minutos disponíveis. Contudo, já na AG de destituição o então presidente anunciara que iria faltar, mas depois compareceu no plenário realizado na Altice Arena, em Lisboa.

Em pouco mais de um ano, o antigo líder do clube de Alvalade, que dirigiu os ‘leões’ entre 2013 e 2018, passou de um dos presidentes mais votados pelos sócios ao primeiro a ser destituído nos 113 anos de história do Sporting. Em 23 de junho de 2018, 71,36% dos votos confirmaram o afastamento, abrindo caminho a uma Comissão de Gestão liderada por Artur Torres Pereira e à entrada de Sousa Cintra para a presidência da SAD.

Depois, Bruno de Carvalho, de 47 anos, tentou concorrer às eleições de 08 de setembro, que viriam a eleger Frederico Varandas para a presidência. No entanto, a candidatura foi inviabilizada pela suspensão de um ano decretada em 02 de agosto pela Comissão de Fiscalização do clube, decorrente do processo disciplinar que lhe havia sido instaurado.

Seguiu-se uma verdadeira batalha jurídica e mediática, travada com providências cautelares e anúncios de supostos pedidos de impugnação, mas sem alterar o rumo dos acontecimentos definidos a partir de 23 de junho de 2018. Ato contínuo, numa nova AG, realizada posteriormente em 15 de dezembro, os sócios decidiram manter a suspensão de um ano do ex-presidente, numa votação com 68,55% de votos a favor e 30,88% contra.

Paralelamente ao afastamento da presidência do clube, Bruno de Carvalho foi, entretanto, implicado na investigação judicial ao ataque à Academia de Alcochete, ocorrido em 15 de maio de 2018 e que abriu uma crise sem precedentes na história do emblema ‘verde e branco’. O ex-dirigente foi detido pela GNR no passado dia 11 de novembro, no cumprimento de um mandado de detenção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Bruno de Carvalho saiu em liberdade do Tribunal do Barreiro cinco dias depois, após ser conhecida a decisão do juiz Carlos Delca, que estipulou apresentações diárias às autoridades e o pagamento de uma caução de 70.000 euros. O Ministério Público acusou-o de ser autor moral de crimes classificados como terrorismo e outros 98 ilícitos criminais, num processo que conta com 44 arguidos.

Como resposta, Bruno de Carvalho fez a sua defesa pública através do livro ‘Sem filtro – As histórias dos bastidores da minha presidência’, lançado pela editora Contraponto em 15 de fevereiro e escrito em coautoria com Luís Aguilar. No livro, o antigo presidente ‘leonino’ conta diversas histórias dos cinco anos de presidência e ‘disparou’ acusações em várias direções, visando Jorge Jesus, Frederico Varandas ou Jaime Marta Soares, entre outros.

Ainda em fevereiro deste ano envolve-se em nova troca de palavras com Frederico Varandas, desta feita a propósito da situação financeira do Sporting, que seria alegadamente mais frágil do que aquela que Bruno de Carvalho dizia ser no seu mandato. Já depois do anúncio da expulsão e do consequente recurso com efeito suspensivo, o ex-presidente adotou uma postura mais discreta, ressurgindo publicamente com várias declarações na última semana.

Além de críticas à procuradora Cândida Vilar numa entrevista ao Expresso – na qual se interrogou se a magistrada teria “uma agenda” ou um “distúrbio” -, Bruno de Carvalho alegou também que a suspensão de um ano imposta pelo CFD já foi cumprida, uma vez que estava suspenso de forma preventiva desde 13 de junho de 2018. Assim, o ex-líder do clube entendia que foi indevidamente impedido de estar presente na última AG de 29 de junho.

Já esta quarta-feira, Bruno de Carvalho foi finalmente ouvido na fase de instrução do processo do ataque à Academia de Alcochete. Perante o juiz Carlos Delca e a procuradora Cândida Vilar, no Tribunal de Instrução Criminal, em Lisboa, o antigo presidente reiterou não ter tido conhecimento prévio do ataque conduzido por membros da claque Juve Leo.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.