Como 32 cerejas do Fundão renderam 350 euros em leilão solidário?

Data:

Trinta e duas cerejas do Fundão foram hoje vendidas por 350 euros num leilão solidário, que conquistou um dos maiores preços de sempre para este fruto e que marcou o início da campanha deste ano.

A ação foi organizada pela Câmara do Fundão, no distrito de Castelo Branco, e as cerejas foram arrematadas por um empresário que está a investir naquele concelho, sendo que o valor angariado é para ajudar a Associação de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental do Fundão (APPACDM) a construir uma nova estrutura residencial.

Apresentado em duas caixas (cada uma com 16 unidades), o lote único teve como base de licitação 100 euros e contou com vários lances que, em pouco mais de um minuto, fixaram o preço em 350 euros, o que dá mais de dez euros por cada uma daquelas cerejas.

Carlos Alegria, empresário que está a construir a Central de Biomassa do Fundão, foi quem arrematou as cerejas e sublinhou que o mais importante é ajudar uma instituição do setor social, com a vantagem de contribuir para a valorização da cereja.

“É com muito gosto que estamos a apoiar uma causa solidária e depois estamos a falar de cerejas únicas”, afirmou, referindo-se ao calibre acima da média das cerejas que irá partilhar com a família.

Colhidas num pomar da localidade do Catrão, freguesia de Vale Prazeres, estas cerejas tinham um calibre de 34/36 e são de uma variedade oriunda do Canadá que está a ser introduzida em alguns pomares novos ou replantados na região, explicou Luís Pinto, diretor comercial da Cerfundão.

Além do tamanho, o valor conquistado também impressionou e provavelmente até poderia ser inscrito no “Guiness Book”, como destacou o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes.

“É seguramente mais um momento que representa a valorização de uma marca que tanto tem feito pela nossa agricultura e pela região”, afirmou.

O autarca sublinhou ainda o “orgulho” e felicidade por esta ação de responsabilidade social ter contribuído não só para apoiar uma instituição da cidade como para promover junto de diferentes públicos a marca “Cereja do Fundão”.

Segundo acrescentou, as previsões deste ano apontam para que a produção no concelho chegue às sete mil toneladas, isto se as condições meteorológicas não provocarem estragos.

“À partida vamos ter um ano bom e eu espero que isso signifique um bom preço pago aos produtores”, referiu, salientando também a “reconhecida” qualidade da cereja.

Ao longo destes meses, a autarquia também vai manter a aposta na promoção da marca “Cereja do Fundão” e produtos associados, com várias ações em mercados tradicionais em diferentes pontos do país, bem como a tradicional Festa da Cereja em Alcongosta (concelho do Fundão) ou uma iniciativa a realizar em França.

O Fundão tem atualmente cerca de 2.000 hectares de pomares de cerejeiras, área que tem vindo a crescer e que leva a que este concelho seja considerado uma das maiores zonas de produção de cereja a nível nacional.

De acordo com um levantamento feito pela autarquia, a fileira da produção de cereja neste concelho, que inclui subprodutos e negócios associados, já representa mais de 20 milhões de euros por ano na economia local.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.