Portugal no ‘top 10’ dos países mais atacados por ‘spam’ e ‘phishing’

Data:

Portugal surge em segundo lugar, com uma quota de 22,63%, no ‘ranking’ mundial de utilizadores mais atacados por ‘spam’ (conteúdos não solicitados) e ‘phishing’ (fraude bancária ‘online’).

De acordo com a edição 2018 do relatório “Spam e Phishing”, da Kaspersky Lab, as técnicas de ‘spam’ e ‘phishing’ ainda são muito utilizadas pelos ‘hackers’ para atacar as empresas, sendo cada vez “mais e melhores” as estratégias utilizadas, num total de 120 milhões de tentativas de ataques através de emails maliciosos em 2018.

As empresas multinacionais – como a Microsoft, o Facebook e o PayPal – foram as maiores vítimas de ‘spam’ e ‘phishing’ em 2018, ocupando Portugal o segundo lugar (com uma quota de 22,63%) no ‘ranking’ mundial dos países mais atacados.

À sua frente surge o Brasil, com uma percentagem de 28,28%, constando ainda do ‘top 10’ países como a Austrália, Argélia, Ilha da Reunião, Guatemala, Chile, Espanha, Venezuela e Rússia.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.