A NASA vai levar a primeira astronauta à Lua em 2024

Data:

A nova missão lunar da agência espacial norte-americana terá o nome de Ártemis, a deusa da caça e da lua na mitologia grega e irmã gêmea de Apolo.
No ano em que assinala os 50 anos da chegada do homem à lua, com a missão Apolo 11 (a 20 de julho de 1969), a NASA anuncia o regresso à Lua em 2024, numa missão que levará, pela primeira vez, uma astronauta.
“A missão da NASA de enviar a primeira mulher e o próximo homem à Lua tem um novo nome: Ártemis, segundo a deusa grega da Lua e irmã gémea de Apolo. A 13 de maio, a Casa Branca apresentou uma emenda ao pedido de orçamento do ano fiscal de 2020 para ajudar a NASA a implementar um programa sustentável, aberto e de longo prazo, de exploração lunar”, informa a agência espacial norte-americana no seu sítio na internet.
Na segunda-feira, o Presidente dos Estados Unidos anunciou na rede social ‘Twitter’ um reforço de 1,6 mil milhões de dólares (cerca de 1,4 mil milhões de euros) no orçamento da NASA, para que esta regresse ao espaço em “grande forma”.
A verba terá ainda que ser aprovada pelo Congresso norte-americano, mas na terça-feira, o administrador da NASA reagia à publicação de Donald Trump considerando que o aumento do orçamento será um “bom começo” para os EUA enviarem novamente astronautas para a Lua, em 2024.
“O presidente Donald Trump pediu à NASA que acelere os planos de regressar à Lua e colocar os humanos na sua superfície, novamente, em 2024”, disse Jim Bridenstine, que revelou ainda uma pretensão maior do que apenas a ida à Lua.
“Iremos com novas tecnologias e sistemas inovadores para explorar mais locais na superfície do que se imaginava possível. Desta vez, quando formos para a Lua, ficaremos. E então usaremos o que aprendemos na Lua para dar o próximo salto gigante: enviar astronautas a Marte”, informou.

NASA regressa à Lua em 2024
Será neste satélite natural da Terra, e o quinto maior do Sistema Solar, que a NASA pretende “estabelecer missões sustentáveis” em 2028, com o objetivo de, dali, enviar posteriormente astronautas para Marte

Num comunicado, a NASA revela que os astronautas vão partir para uma estação orbital na Lua, a Gateway, que será construída a partir de um consórcio entre a estação espacial norte-americana e parceiros privados.
Da Gateway os astronautas seguirão num módulo de aterragem para o polo sul da Lua. Será neste satélite natural da Terra, e o quinto maior do Sistema Solar, que a NASA pretende “estabelecer missões sustentáveis” em 2028, com o objetivo de, dali, enviar posteriormente astronautas para Marte.
Num vídeo promocional, titulado ‘We are going to Moon to stay, by 2024’ (‘Vamos à Lua para ficar, em 2024’), a NASA mostra o regresso dos astronautas norte-americanos à Lua como o “próximo passo da exploração espacial”. Está a referir-se ao planeta Marte, e revela os meios para lá chegar: o SLS – um foguetão “maior e mais poderoso”, a nave Orion e a estação orbital Gateway.
A NASA assinala em junho os 50 anos da chegada do Homem à Lua, com a missão Apollo 11. A última missão tripulada à Lua, a Apollo 17, ocorreu em dezembro de 1972.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.