Presidente da TAP diz que verão será “bastante difícil”

Data:

Em causa está a dimensão do aeroporto de Lisboa em face à atual procura e que tem provocado “congestionamentos internos” que afetam a TAP, afirmou Miguel Frasquilho, presidente da companhia numa entrevista à agência Lusa.

O ‘chairman’ da TAP assumiu, que o verão “vai ser bastante difícil” para a companhia “sobretudo por razões externas” e adiantou que haverá um “problema sério” se o projeto do aeroporto no Montijo não avançar.
“O aeroporto (de Lisboa) é o que é e os congestionamentos são aquilo que nós conhecemos (…). No ano passado tivemos congestionamentos internos que impactaram” a companhia aérea, quer em termos de pontualidade, quer em termos de cancelamento de voos, disse.
No entanto, o presidente do Conselho de Administração da companhia aérea adiantou que com a contratação de efetivos que tem sido feita, de um modo geral, a situação tem sido colmatada.
Mas “é evidente que quando o número de voos aumenta os constrangimentos sentem-se mais. Foi o que aconteceu no mês de abril, onde a pontualidade que a TAP tinha vindo a ter, a níveis este ano bastante positivos, acima de 80% até março”, caiu, referiu.
“É fundamental que haja – não tendo sido tomada a decisão de ter um novo aeroporto de raiz – (…), num horizonte não muito distante, uma infraestrutura aeroportuária que possa complementar o aeroporto Humberto Delgado”, defendeu Miguel Frasquilho, apontando que designa o Montijo como o “terminal três”.
“Do ponto de vista da libertação de capacidade aqui no aeroporto Humberto Delgado (em Lisboa), os terminais um e dois (…), é muito importante que o aeroporto complementar, neste caso” no Montijo, “possa ver a luz do dia o mais rapidamente possível”, salientou, esperando que a análise do estudo de impacto ambiental seja positiva para que “possa entrar em funcionamento em 2022”.
Se tal não acontecer, “teremos um problema sério” e “não é só para a TAP, é para o país”, afirmou Miguel Frasquilho.

Capacidade volta “a ficar esgotada” em 2022/2023

O ‘chairman’ da companhia aérea disse que há um empenho de várias entidades em resolver a atual situação do aeroporto de Lisboa e destacou o despacho recente do Governo “autorizando o encerramento formal da chamada pista 13/35, que é uma pista secundária do aeroporto Humberto Delgado, na qual apenas passaram 0,1% dos voos todos realizados no ano passado”.
Frasquilho recordou que “o Governo concedeu à ANA (empresa gestora dos aeroportos) um mês para apresentar o calendário de execução das obras”, salientando que é de prever que no verão de 2020 “possam ser sentidas as melhorias decorrentes desses trabalhos”.
No entanto, apesar das obras, vai haver “um ponto no tempo, em 2022/2023”, em que a capacidade do aeroporto de Lisboa “voltará a ficar esgotada”.
E é precisamente nessa altura que vai ser “fundamental” que o complemento do Montijo esteja operacional, sustentou.
O presidente do Conselho de Administração disse que “a TAP não pensa sair do aeroporto Humberto Delgado, até porque a maior parte” dos seus voos são de conexão.
Relativamente aos constrangimentos no aeroporto da capital devido a falta de pessoal do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Miguel Frasquilho afirmou que tem mantido contactos tanto com a diretora como com o Ministério da Administração Interna, salientando que em abril foram admitidos mais de 20 novos inspetores e que serão admitidos outros antes do verão.
Sobre o aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, o ‘chairman’ salientou que a TAP tem vindo a aumentar desde 2018 o número de voos a uma média de três em cada ano e apontou que a operação de ponte aérea está em 2019 a correr bastante melhor do que no ano anterior.

Chicago, S. Francisco e Washington em junho

Quanto às novas rotas da TAP, Miguel Frasquilho garantiu que as dos Estados Unidos, “em termos de vendas, estão a correr bastante bem”, tal como o recente voo para Telavive (Israel), lembrando que a ligação a Chicago se iniciará em 01 de junho, seguindo-se São Francisco no dia 10 e Washington no dia 16.
O ‘chairman’ acrescentou que é “intenção no próximo ano, nos dois próximos anos, acrescentar mais três destinos” aos Estados Unidos.
“É isso que neste momento está sobre a mesa, sem prejuízo depois de haver ainda novas atualizações, mas serão, previsivelmente, em 2020, Los Angeles, Houston e Atlanta”, afirmou.
“Eu diria que os Estados Unidos estão a consolidar a área, a ter uma posição de inegável importância para a evolução da atividade da TAP”, referiu, acrescentando que é também objetivo “voar para Montreal num dos num dos próximos anos”, ficando assim “a América do Norte bastante composta em termos de cobertura pela TAP”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.