Os novos moinhos da Amadora

Data:

Está de parabéns a Divisão de Intervenção Cultural do Museu Municipal de Arqueologia da Amadora – e justo será destacar a ação da sua coordenadora, Drª Gisela Encarnação – por ter trazido à Amadora de hoje uma perfeita e saudosa imagem da Amadora do tempo dos nossos avós. Com efeito, a recente restauração dos arruinados moinhos de vento do alto da Mina e a instalação ali da sede do Núcleo Museológico do Moinho do Penedo, como era chamado o altaneiro local, veio enriquecer grandemente a paisagística e o interesse histórico da mais pequena área concelhia vizinha de Lisboa.
Onde os testemunhos do passado se mantiveram durante longos anos votados ao abandono, vêem-se agora as mais emblemáticas imagens de uma Amadora anterior a três ou quatro gerações, quando os campos se estendiam a perder de vista entre diversas elevações e as construções, casas rústicas e quintas, se contavam pelos dedos, panorâmica a que sucedeu a Amadora familiar e plena de vida local que caracterizou a sua existência durante a primeira metade do século XX.
Nascido na Amadora em meados dos anos vinte daquele século, desde menino e moço subi aos ‘Moinhos’, como a minha geração conhecia o sítio, que compreendia também uma fileira de frondosos eucaliptos, cujas sombras eram bem convidativas ao descanso, após se vencer uma das ladeiras de acesso ao local. Magnífica a panorâmica que se contemplava, com as terras baixas, povoadas de moradias, “fechadas” pelas elevações contrárias, desde a serra de Monsanto à serra de Carnaxide, onde se erguiam as antenas da Rádio Marconi, ali instaladas em 1926 sem nunca terem prejudicado as descolagens e aterragens dos aviões na vizinha pista do Grupo de Esquadrilhas de Aviação República, cujo centenário se verifica este ano.

Moinhos do Penedo na Amadora

“Vale bem a pena subir ao alto dos Moinhos do Penedo e apreciar a meritória obra ali implantada por quantos volvem as suas atenções para passados remotos e recentes e os trazem ao presente. Útil será a colocação, em diversos locais da Amadora, de placas-convite para subir aos Moinhos do Penedo”

Com os três Moinhos do Penedo em ruínas, há sessenta anos, em 1958, alertei o então presidente da Câmara Municipal de Oeiras, para a conveniência em proteger o melhor local paisagístico da Amadora, bem propicio à construção de um esplêndido miradouro. Mas tal alerta não resultou. E as sucessivas entidades responsáveis permitiram que as construções vencessem a encosta até ao alto, primeiro moradias e depois, incrivelmente, prédios de uns tantos andares.
Talvez até tenham sido os velhos moinhos em ruínas que evitaram a “invasão” para a encosta oposta. Desta anomalia resultou o que agora está à vista. Os novos moinhos da Amadora, que se podiam debruçar sobre um aprazível miradouro, têm reazeiras e telhados de construções a prejudicar a sua situação.
Enquanto um dos três Moinhos do Penedo viu há anos suceder-lhe um depósito de águas, os dois que agora “ressuscitaram” das lonjuras do século XVIII, foram restaurados a primor; exterior e interiormente, fascinam e encantam o visitante. Como se dá conhecimento através de um bem documentado desdobrável elaborado pelo citado Núcleo Museológico, “existem atualmente 41 moinhos de vento no concelho da Amadora, alguns recuperados”, referindo-se neste caso os do Penedo e mais três, em freguesias diferentes, o que leva a concluir que cerca de três dezenas de moinhos continuam “a morrer de pé”, tendo-se perdido outras tantas dezenas, uma vez que chegaram a existir mais de 70 moinhos na área concelhia, remontando “pelo menos ao século XVII”.
E mais se divulga no mesmo desdobrável, que “a chegada da energia a vapor e das fábricas levou a que os moinhos fossem desativados e aos poucos desmantelados até ao início do século XX”
Moinhos do Penedo recuperados na AmadoraQuanto ao recuperado Moinho do Penedo, “é uma estrutura de torre fixa circular construída com a pedra basáltica da região, com dois pisos, o térreo e o de moagem, ligados por uma escada. A entrada e as janelas são constituídas por pedra calcária e no seu interior podem observar-se os arganéis que serviam para fixar o capelo, a cobertura do moinho, construída em madeira”.
Oportuno será referir a existência na Amadora da Associação de Arqueologia da Amadora (ARQA), constituída em 1988, que colabora com o Museu Municipal de Arqueologia, por intermédio de uma parceria com vista à investigação arqueológica e à divulgação do património histórico local. Com origens nos anos sessenta do século passado, a ARQA mantém em funcionamento um projeto de animação cultural e promove passeios culturais e palestras sobre arqueologia e história, bom como exposições itinerantes.O propósito desta associação é ‘Descobrir, Investigar e Divulgar’.
Voltando ao desdobrável do Núcleo Museológico do Moinho do Penedo, mais dali se transcreve que “a atividade moageira da região da Amadora proporcionou o desenvolvimento dos trabalhos agrícolas, o culto de “terras de pão”, onde predominava sobretudo o trigo e o centeio, e a criação de variados postos de trabalho, como trabalhadores agrícolas, moleiros, carreteiros, bandejas e comerciantes”. A região fazia parte da Cintura Moageira Pré-industrial de Lisboa.
Vale bem a pena subir ao alto dos Moinhos do Penedo e apreciar a meritória obra ali implantada por quantos volvem as suas atenções para passados remotos e recentes e os trazem ao presente. Útil será a colocação, em diversos locais da Amadora, de placas-convite para subir aos Moinhos do Penedo.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.