Terras de Trás-os-Montes insiste em inclusão de investimentos no PNI 2030

Data:

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes reiterou junto da Assembleia da República e do Governo as reivindicações que pretende ver incluídas no Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, informou aquele organismo.

Depois de na versão inicial do programa nenhuma das propostas para o território ter sido atendida, a CIM, que representa nove municípios, insiste “na necessidade de inclusão das pretensões” regionais, numa altura em que decorrem audições e reuniões para a versão final do documento, que determinará os investimentos em Portugal na próxima década.

A Comunidade Intermunicipal Terras de Trás-os-Montes voltou a reivindicar os “investimentos estruturantes para o território durante audição pública sobre o programa promovida pela Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas”, na Assembleia da República. A comissão, explica a CIM, está a fazer uma apreciação da proposta do Governo sobre o PNI 2030 e promoveu uma audição em que participaram as entidades intermunicipais a nível nacional, representantes dos grupos parlamentares e os ministros das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes.

“A Comunidade Intermunicipal das Terras de Trás-os-Montes defendeu durante a audição pública a necessidade da inclusão das pretensões do território no campo dos transportes e mobilidade, ambiente e regadio neste plano, enquanto fatores imprescindíveis para a dinamização socioeconómica dos nove municípios que integram esta comunidade intermunicipal”, refere, em comunicado.

O presidente da CIM, Artur Nunes, “voltou a defender a inclusão de investimentos estruturantes para o território no PNI 2030”, como a requalificação das ligações de Vimioso a Bragança e de Vinhais a Bragança, consideradas há vários anos prioridades nesta região.

Nas ligações fronteiriças, esta Comunidade “pretende ver concretizadas a ligação do Itinerário Complementar n.º 5 (IC5) a Espanha, a ligação de Bragança à Puebla de Sanábria e a construção de uma ligação entre Macedo de Cavaleiros e Vinhais com extensão à Godinha, em Espanha, com perfil de itinerário principal (IP).

A transformação do Aeródromo de Bragança em Aeroporto Regional de Trás-os-Montes é outra das reivindicações, assim como a realização de um estudo para a construção de um corredor ferroviário entre o porto de Leixões e Zamora e criação de um centro de logística regional.

Tendo em conta a importância da agricultura para a economia do território, a CIM “reivindica como estruturantes o aumento da área regada e a requalificação e/ou reabilitação de infraestruturas hidráulicas existentes”.

Para tal, está, inclusive, a ser elaborado um Plano Estratégico para o Regadio.

Na lista de reivindicações constam ainda investimentos para a próxima década nas áreas da energia e ambiente, nomeadamente a criação de sistemas de recolha de biorresíduos e de um centro de armazenamento de energia. De acordo com informação divulgada, estas “pretensões foram também tema da reunião que os representantes da comunidade intermunicipal tiveram com o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.