Investigadores de Coimbra criam tecnologia baseada no bater do coração

Data:

Uma tecnologia de baixo custo e não invasiva que permite a monitorização contínua das doenças do coração em casa.
É o que propõem investigadores do Departamento de Engenharia de Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).
A equipa criou uma nova abordagem tecnológica baseada no som dos batimentos cardíacos: o som cardíaco é a chave de acesso a um conjunto de informações necessárias para caracterizar e avaliar o funcionamento do coração, explica a equina numa nota divulgada pela FCTUC.
Liderada por Paulo de Carvalho, especialista em informática clínica, e com a colaboração de três médicos, a equipa desenvolveu um software a partir do som do batimento cardíaco, “obtido com recurso a pequenos sensores”.
O software “permite extrair automaticamente os denominados tempos sistólicos do coração e estimar o débito cardíaco”, explica Paulo de Carvalho.
O sistema integra três componentes – sensores, que podem ser colocados, por exemplo, no vestuário; um telemóvel que agrega os sinais provenientes dos sensores e um servidor que armazena a informação.

A nova tecnologia permite “o seguimento permanente de vários tipos de patologias cardiovasculares, em particular a insuficiência cardíaca, em ambulatório”, diz Paulo de Carvalho

O docente do Departamento de Engenharia Informática da FCTUC, lembra que há dois tempos sistólicos que são fundamentais para a avaliação do estado de saúde do coração: o período de pré-ejeção (PEP), que funciona como comando para o coração contrair (uma espécie de “motor de arranque”), e o período de ejeção – o tempo que o ventrículo esquerdo está contraído para ejetar o sangue para a aorta.
Com os dados obtidos durante esta dinâmica cardiovascular, a tecnologia desenvolvida pelos investigadores da FCTUC avalia continuamente a função cardíaca fornecendo aos cardiologistas o relatório sobre a situação do doente.
Paulo de Carvalho diz que a grande vantagem desta tecnologia é permitir “o seguimento permanente de vários tipos de patologias cardiovasculares, em particular a insuficiência cardíaca, em ambulatório”.
“Não estamos a inventar informação nova, já que a auscultação sempre foi e continua a ser uma fonte de informação extremamente relevante no diagnóstico e prognóstico médico, sobretudo em cardiologia, apenas encontrámos uma nova solução para fornecer ao clínico informação que ele já percebe”, acrescenta.
Ou seja, a equipa encontrou uma forma de obter em casa informação que até agora só era possível adquirir no hospital.
“Com esta tecnologia, o doente tem um acompanhamento constante e de longo prazo no conforto do seu lar”, destaca ainda Paulo de Carvalho.
A solução está pronta a entrar no mercado, e depende apenas do interesse da indústria para ser implementada.
Foi desenvolvida no âmbito do projeto ‘SoundForLife’, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), e testada em doentes internados no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e em pessoas saudáveis.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.