FMI agrava previsão do défice português para 2019

Data:

O Fundo Monetário Internacional (FMI) agravou hoje a estimativa do défice português para 0,6% do PIB este ano.
Um número pior do que os 0,2% previstos pelo Governo.
Mas o FMi antecipa agora que o primeiro excedente se registe um ano mais cedo, em 2021.
De acordo com o ‘Fiscal Monitor’, relatório com as previsões orçamentais mundiais, o FMI piorou a previsão para o défice português em 2019 para 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB).
É uma deterioração de 0,2 pontos percentuais (p.p.) face à estimativa de novembro, de 0,4% do PIB, no âmbito da sétima avaliação pós-programa, e também acima da estimativa de 0,2% do Governo para o défice este ano.
No ‘Fiscal Monitor’ de outubro, o FMI previa um défice de 0,3% do PIB em 2019, estimativa que depois piorou em novembro, para 0,4%.
Para 2020, o Fundo antecipa agora um défice orçamental de 0,1% do PIB (contra 0,2% em outubro).
O FMI, que tem como base um cenário de políticas invariantes para os próximos anos, acredita que o primeiro excedente, de 0,4% do PIB, aconteça em 2021, um ano mais cedo face às previsões de outubro, quando antevia que o primeiro excedente, de 0,2% do PIB, se registasse apenas em 2022.
Para 2022, o FMI antecipou que o excedente desça 0,1 p.p. para 0,3%, mantendo-se nesse valor em 2023 e recuperando depois para 0,5% do PIB em 2024.

Défice ficou em 0,5% do PIB em 2018

De acordo com os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o défice ficou em 0,5% do PIB em 2018, o melhor resultado em democracia e abaixo da previsão de 0,6% indicada em fevereiro pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.
Em 2017, Portugal registou um défice de 3%.
Segundo as previsões do FMI hoje divulgadas, o saldo primário, que exclui os encargos com a dívida pública, vai fixar-se em 2,5% em 2019, abaixo dos 2,9% estimados em outubro, subindo para valores acima dos 3% a partir de 2020 (3,1%) e até 2024.
As projeções referentes a Portugal, que são coordenadas pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, agora diretor do FMI, baseiam-se no Orçamento do Estado para 2018 e foram “ajustadas para refletir as previsões macroeconómicas” do Fundo.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.