Geopark Terras de Cavaleiros mantém-se na lista de geoparques da Unesco

Data:

O Geopark Terras de Cavaleiros, em Macedo de Cavaleiros garantiu a revalidação da presença na lista de geoparques da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) por mais quatro anos.
“É motivo de grande orgulho, pois estávamos em risco de perder o estatuto de Geoparque da UNESCO. Felizmente o trabalho desenvolvido no último ano permitiu assegurar que durante mais quatro anos seremos um dos geoparques globais da Unesco “, congratula-se Benjamim Rodrigues, presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros, concelho do distrito de Bragança.
O estatuto de geoparque integrado na Rede Mundial de Geoparques da Unesco e União Internacional de Ciências Geológicas foi atribuído em 2014.
Geopark Terras de Cavaleiros mantém-se na lista de geoparques da UnescoNo ano seguinte o Geopark Terras de Cavaleiros integrou o Programa Internacional de Geociências e Geoparques da Unesco.
Segundo os estatutos da rede, de quatro em quatro anos os parques são submetidos a uma reavaliação.
Benjamim Rodrigues revela que a candidatura à reavaliação foi submetida em dezembro de 2017, tendo esta decorrido de 2 a 4 de junho.
“Provámos aos avaliadores que o município tem mantido a atividade que valoriza o território, o funcionamento dos principais geossítios com qualidade, informação a condizer e, sobretudo, o valor geológico e também a tradição e a cultura”, sustenta.
Entre as mais-valias que contribuíram para convencer a comissão de reavaliação do Geopark Terras de Cavaleiros destaca-se a promoção do geoturismo, relevando-se, por exemplo, o facto de ser o concelho com o maior número de trilhos de Pequena Rota certificados.
“Temos trabalhado com as comunidades locais, promovendo o convívio com os visitantes do geoparque, e apoiando o comércio, artesanato e gastronomia endógena”, sustenta Benjamim Rodrigues.

Aposta na educação foi valorizada

Outra das áreas que contribuiu para a valorização da candidatura foi a aposta na educação direcionada para a promoção do Geopark.
O programa educativo de Macedo de Cavaleiros conta com uma disciplina única no país, vocacionada para os geoparques e que integra o currículo do 8º ano de escolaridade.
“Queremos que os nossos alunos conheçam melhor o território onde estão inseridos e que aprendam a valorizá-lo para preservar espaços únicos no mundo”, sublinha o presidente da Câmara.

Geopark Terras de Cavaleiros mantém-se na lista de geoparques da Unesco

O Geopark Terras de Cavaleiros tem cerca de 700 quilómetros quadrados, coincidentes com a área do território do município de Macedo de Cavaleiros.
Engloba um património geológico singular que permite aos visitantes percorrer milhões de anos na história da terra.
O ‘Umbigo do Mundo’, na pequeña aldeia de Morais, é um dos mais emblemáticos exemplos da singularidade do território.
O certificado de revalidação do estatuto de Geoparque da Unesco será entregue oficialmente na Conferência e Meeting de Geoparques Europeus que vai decorrer em Sevilha, Espanha, entre 23 e 27 de setembro.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.