A evolução do cérebro é o tema da nova exposição da Gulbenkian

Data:

O cérebro é o tema central da mais recente exposição da Fundação Calouste Gulbenkian e inclui um cérebro com 500 milhões de anos, fragmentos de um papiro egípcio, documentos históricos, entre outras atrações.

‘Cérebro – mais vasto que o céu’ é “uma viagem única à volta do cérebro: a sua origem, a complexidade da mente humana, os desafios das mentes artificiais”, apresenta a Fundação Calouste Gulbenkian, que inaugura esta exposição a 16 de março.
Mostra um cérebro com 500 milhões de anos, um cérebro moderno, uma sinapse interactiva gigante, fragmentos de um papiro egípcio, um quadro da artista Bridget Riley, uma orquestra de cérebros e até robots.
Atividades interativas, documentos históricos e paleontológicos, pintura, modelos tridimensionais e infografias juntam-se “para produzir uma exposição entusiasmante para todas as idades”, destaca ainda numa nota de divulgação.
‘Cérebro – mais vasto que o céu’ parte do poema de Emily Dickinson, ‘The brain – is wider than the sky’, para apresentar este órgão fundamental do corpo.
A instalação vídeo ‘Self-reflected’ abre a exposição e proporciona uma experiência imersiva, emocional e sensorial, que conduz o visitante para dentro de um cérebro.
As imagens são do artista e neurocientista norte-americano Greg Dunn e o ambiente sonoro foi criado expressamente pelo compositor Rodrigo Leão. Depois, a exposição divide-se em três módulos.

Cérebro – mais vasto que o céuDa origem às mentes artificiais

No primeiro módulo, intitulado ‘No princípio não havia cérebros’, a origem dos cérebros, enquanto processo de evolução biológica, serve para apresentar a complexidade do cérebro humano como parte de um contínuo evolutivo.
A apresentação de modelos de cérebros de diferentes vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos) ilustra como estes grupos têm cérebros muito diferentes, mas constituídos pelas mesmas partes.
A peça central deste módulo é um neurónio gigante suspenso do teto que simula uma sinapse: o neurónio dispara em reação à presença de visitantes.
‘Pense no cérebro’ é o tema do segundo módulo da exposição e destaca uma instalação multimédia, a Orquestra de Cérebros, na qual quatro visitantes podem visualizar e ouvir, em simultâneo, a sua atividade cerebral.
Os sinais, captados por um capacete, são projetados numa tela de grandes dimensões e a sua tradução em sons foi desenvolvida por Rodrigo Leão.
Explica-se também como a complexidade do cérebro dá origem à experiência mental que temos do mundo e de nós próprios, da memória à linguagem, perceção e emoções.
O terceiro módulo aborda a tecnologia de interface cérebro-máquina e as suas aplicações, a inteligência artificial e a robótica.
O cérebro é o tema central da mais recente exposição da Fundação Calouste GulbenkianMostra também como a atividade cerebral está a ser utilizada para controlar utensílios externos, incluindo em contextos biomédicos por doentes com incapacidades motoras.
Os visitantes poderão jogar Mindball, um jogo de futebol mental em que duas pessoas se defrontam movimentando uma bola em direção à baliza do adversário, com base nas suas ondas cerebrais.
Os robots pintores de Leonel Moura executam telas em tempo real durante todo o período da exposição. “Será a criatividade uma propriedade exclusivamente humana?”, questiona a Fundação Gulbenkian.

Cérebro – mais vasto que o céu
Fundação Calouste Gulbenkian
Av. de Berna, 45A – Lisboa
De 16 de março a 10 de junho
De 4ª a 2ª, das 10h às 18h (encerra à terça)
Preço: 5 euros

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.