Lisboa tem as rendas de casa mais altas

Data:

O valor médio das rendas das habitações subiu 9,3% em 2018 para 4,80 euros por metro quadrado, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). A capital tem os preços de arrendamento mais elevados.

“No 2.º semestre de 2018 (últimos 12 meses), o valor mediano das rendas de alojamentos familiares em novos contratos de arrendamento no país fixou-se em 4,80 euros/m2, registando uma taxa de variação homóloga de +9,3%. O número de novos contratos de arrendamento registou um decréscimo de -7,9%”, pode ler-se no relatório do INE.
No mesmo período 33 municípios, localizados maioritariamente na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve, apresentaram um valor mediano das rendas superior ao referencial nacional. Quer isto dizer que nestas regiões o preço por metro quadrado superou o patamar dos 4,80 euros.
O município de Lisboa apresentou o valor da renda mais elevado do país, com o preço nos 11,16 euros por metro quadrado.
Mas há mais. Com valores superiores a sete euros por metro quadrado destacavam-se também Cascais (9,71€/m2 ), Oeiras (9,38€/m2 ), Porto (7,85€/m2 ), Amadora (7,19€/m2 ), e Almada (7,00€/m2 ), de acordo com o relatório da agência de estatísticas. Com valores superiores a 13 euros salientam-se as freguesias de Lisboa, Santo António, Misericórdia e Parque das Nações.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.