Em Portugal há uma onda de solidariedade para com Moçambique

Data:

De Portugal já foram para Moçambique dois aviões C130 e um avião comercial alugado. Ao todo chegaram seis toneladas de recursos, entre alimentos, redes mosquiteiras e material de higiene. Na Beira já estão bombeiros, elementos da GNR, do Serviço Nacional de Proteção Civil, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), das Forças Armadas e da EDP.
Dezenas de instituições, organizações e empresas portuguesas, além da sociedade civil em geral, anunciaram apoios financeiros e ações de recolha de bens e fundos.
A Fundação Calouste Gulbenkian disponibilizou-se a participar nas primeiras ações de socorro humanitário e decidiu doar 100 mil euros, especificamente para a compra de medicamentos e outros consumíveis na área dos cuidados de saúde.
Já os CTT estão a receber, até 08 de abril, roupas doadas nas suas lojas para enviar para Moçambique, de forma gratuita. A empresa fez uma parceria com os Correios de Moçambique “para garantir a chegada de roupa às populações afetadas”.
Também a Irmandade dos Clérigos, no Porto, decidiu enviar um donativo de 50 mil euros aos bispos de Moçambique, para que com o “sentido pastoral” ajudem no terreno os “deslocados e desalojados nestes primeiros dias”.
O Santuário de Fátima vai enviar 15 mil euros para o apoio às vítimas, através da Cáritas Portuguesa.

Municípios realizam campanhas

Vários municípios anunciaram apoios financeiros, entre os quais Lisboa, que avançou com 150 mil euros e o envio de equipas para apoio a necessidades básicas no terreno, e Sintra, que vai doar 120 mil euros e dar apoio logístico à câmara moçambicana da Beira.
A Câmara do Porto vai disponibilizar “apoio de equipas pós-catástrofe” e 100 mil euros para a “reconstrução do hospital” da Beira, de acordo com “necessidades” já identificadas por organizações não-governamentais.
A autarquia do Seixal – município geminado há mais de 20 anos com a Província de Sofala, de que é capital a cidade da Beira – também anunciou um apoio financeiro de 12 mil euros às entidades a operar no terreno – Cruz Vermelha Portuguesa, Fundação AMI e as Organizações não Governamentais para o Desenvolvimento Oikos e Helpo.
A autarquia irá ainda promover uma campanha de recolha de alimentos não perecíveis e medicamentos num concerto solidário, no âmbito da iniciativa ‘Março Jovem’, com a atuação dos HMB no dia 30 de março, que serão encaminhados através das entidades oficiais nacionais, nomeadamente o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.
A Câmara de Montemor-o-Velho lançou uma campanha de solidariedade através da recolha de “bens considerados prioritários”, em articulação com os bombeiros e proteção civil. A campanha vai durar até às 17h de sexta-feira, através do Serviço Municipal de Proteção Civil e com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Montemor-o-Velho.
A autarquia garante que irá assegurar que todos os bens serão entregues ao povo moçambicano. “”Para um maior controle e transparência de todo o processo, aquando da entrega dos bens deverá ser preenchido um formulário com a identificação das doações”, avisam os serviços municipais.
Já a Câmara Municipal de Gouveia, no distrito da Guarda, está a realizar uma ação de recolha de bens de primeira necessidade.
A autarquia presidida por Luís Tadeu refere, em comunicado, que a recolha de alimentos, medicamentos e produtos de higiene e de limpeza é feita nas Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários e Juntas de Freguesia do concelho.

Cruz Vermelha lança ‘Operação Embondeiro por Moçambique’

A Universidade da Beira Interior (UBI) e o Lions Clube da Covilhã estão também a promover uma campanha de recolha de bens.
“No contexto do acordo de cooperação entre a UBI e o Lions Clube da Covilhã, estão instalados nos vários polos da UBI, até ao final da tarde de terça-feira, dia 26 de março, caixas destinadas a receber as dádivas que serão encaminhadas para o país de língua oficial portuguesa”, refere a nota publicada na página oficial desta instituição do ensino superior sediada na Covilhã, distrito de Castelo Branco.
A informação lembra que deve ser entregue “preferencialmente comida enlatada (com validade longa), roupa, cobertores, tendas, mosquiteiros, compressas e medicamentos”. Os bens recolhidos serão enviados já na quarta-feira, dia 27, “num contentor da responsabilidade de uma empresa que tem instalações em Portugal e Moçambique, a ENGITAGUS”, informa a UBI.
A Cruz Vermelha têm em curso a iniciativa ‘Operação Embondeiro por Moçambique’ que, além de um hospital de campanha e de uma equipa de 20 elementos que já partiram para o território, tem em curso um Fundo de Emergência que conta já com mais 700 mil euros.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.