Evoramonte no Alentejo expõe 36 gravuras criadas por Nelson Mandela

Data:

Um conjunto de 36 gravuras criadas pelo histórico líder sul-africano Nelson Mandela, reproduções de originais, vai poder ser apreciado pela primeira vez em Portugal, numa exposição em Evoramonte, concelho de Estremoz (Évora), a partir de 02 de abril. A exposição, patente até 31 de maio, intitula-se “House of Mandela Art – apresentada pela Delta Cafés” e “esta será a primeira vez” que este conjunto de criações, datadas de 2001 a 2005, visita Portugal, destacaram hoje os promotores.

A iniciativa é promovida pela Fundação House of Mandela Art, por intermédio de Mitch Webber, sul-africano e proprietário de um alojamento local naquela localidade do concelho de Estremoz (The Place at Evoramonte), contando com o apoio da câmara e da junta de freguesia.

Segundo a organização, as obras expostas “espelham a conhecida história da vida” de Nelson Mandela (1918-2013).

As 36 gravuras pertencem à coleção da Fundação House of Mandela Art e, em Evoramonte, vão ser mostradas no castelo, numa galeria de arte, numa loja de artesanato e nas instalações de uma empresa de animação turística e cultural, no alojamento local promotor e no 1.º piso dos antigos Paços do Concelho.

Em destaque vão estar os desenhos e pinturas de duas séries, a Série Luta e a Série Ilha Robben, “12 reproduções de originais assinados” por Mandela, vincou a organização.

A Série Luta é formada por cinco desenhos que “sintetizam a história da sua vida”, como o “Punho Cerrado”, que “representa os anos de luta”, a “Prisão”, com “as suas mãos atadas que simbolizam o seu encarceramento durante 27 anos”, a “Liberdade”, com “o partir dos grilhões”, a “Unidade”, que simboliza que Mandela “não se limitou a unir a sua nação e continente” mas que estendeu “a sua mão de amizade a todo o mundo”, e a “Mão”, com “a sua mão estendida na direção da mão de uma criança”.

Nesta série, consta também um desenho com a motivação de Mandela para estas suas primeiras obras, na qual escreveu que “ainda que a idade nos transforme em guias mais sábios (…) é a juventude que nos faz lembrar do amor, da confiança e do valor da vida”.

Durante os fins de semana da exposição, por convite da House of Mandela Art, dois artistas portugueses, de diferentes gerações e cujos nomes não foram ainda divulgados, vão trabalhar ao vivo no castelo, reinterpretando os desenhos da Série Luta. As suas criações assinadas vão depois ser colocadas à venda na página de Internet da Nelson Mandela Art.

O outro conjunto de gravuras em foco na mostra em Evoramonte pertence à Série Ilha Robben, criada por Mandela, em 2002, e que evoca o tempo que passou naquela ilha, à qual “regressou para melhor capturar a sua essência, através do seu estilo singular, usando cores garridas”.

Os trabalhos intitulam-se “A cela”, “A janela”, “A igreja”, “O farol” e “O porto”, tendo Mandela escrito também sobre a motivação subjacente a estas obras.

Concluídas estas duas séries, o líder e político sul-africano “dedicou-se ao seu talento recém-descoberto” e “viria a criar mais 46 obras originais”, das quais algumas reproduções integram a mostra na aldeia alentejana.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.