Luís Castro quer Vitória de Guimarães “ao melhor nível” no ‘clássico’ minhoto

Data:

O treinador Luís Castro realçou que o Vitória de Guimarães precisa de se exibir ao “melhor nível” num jogo “sempre especial” com o Sporting de Braga, este sábado, para a 25.ª jornada da I Liga.

Apesar dos 13 pontos que separam os rivais minhotos – o Braga é terceiro, com 52, e o Vitória sexto, com 39 -, o ‘timoneiro’ vimaranense antecipou um jogo “aberto”, com “duas equipas a querer ganhar”, em que a concentração dos seus jogadores pode ser decisiva para a obtenção de pontos.
“É um jogo difícil, em que a equipa tem de estar ao melhor nível. Como é padrão dela, tem de defender bem e tem de atacar, não deixando de estar equilibrado. Os jogadores têm de anular os espaços por onde o Braga faz as transições e de procurar os espaços que normalmente aparecem na equipa adversária”, realçou, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo agendado para o Estádio Municipal de Braga (18:00).
Além do equilíbrio defensivo e da criação de situações de golo, algo, a seu ver, conseguido na segunda parte do jogo anterior – triunfo por 1-0 sobre o Marítimo -, Luís Castro considerou que os vitorianos precisam de mostrar muita “ambição” para vencer o ‘clássico’ minhoto, um jogo que “vale três pontos”, mas é “sempre especial”.
“Dizer que não é um contexto especial é fugir à questão. Queremos fazer deste um jogo competente, que mostre toda a nossa ambição no campeonato, na perseguição de um objetivo que vamos procurar alcançar [apuramento para a Liga Europa]. O jogo com o Sporting de Braga claramente vale três pontos na caminhada de sucesso que queremos”, disse.
Com apenas um triunfo nos últimos seis jogos como visitante, o Vitória tem estado até agora melhor em casa (24 pontos) do que fora (15). Apesar de ter dito que essa situação acontece “de forma transversal no futebol mundial”, o técnico vitoriano assumiu que “gostava de ter mais pontos fora” e realçou que, para o conseguir, a equipa precisa de ter “mentalidade forte”.
“Muitas vezes falta-nos um bocadinho estabilizar fora [de casa] para conseguirmos um melhor campeonato, mas estou a sentir que a equipa está outra vez como na primeira volta, quando esteve vários jogos sem perder”, antecipou.
O técnico mostrou-se ainda “orgulhoso” com a prestação defensiva da equipa – é a segunda menos batida do campeonato, com 21 golos sofridos, a par do Benfica e atrás do FC Porto (14) – e revelou que vai manter a aposta em Miguel Silva, guarda-redes que foi pela primeira vez titular no campeonato no último jogo, frente ao Marítimo, tendo substituído Douglas.
“Quer o Miguel, quer o Douglas sabiam que, em determinado momento, ia haver troca na baliza. Eu fiz o mesmo no Chaves [2017/18], quando troquei o António Filipe pelo Ricardo. Sempre que tiver jogadores de qualidade à disposição, a minha obrigação é dar-lhes tempo de jogo, pela honestidade que eles têm no dia a dia”, explicou.
Confrontado com a ausência do médio Joseph, por lesão, Luís Castro afirmou que o futebol é feito de lesões e castigos, não havendo “quadros ideais”, mas, por outro lado, revelou que o médio André André já está disponível, tal como o defesa Pedro Henrique e o médio Wakaso, após castigo.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.