Exportações de vinho atingiram 803 milhões de euros em 2018

Data:

As exportações nacionais de vinho subiram três por cento em 2018, atingindo 803 milhões de euros, revelou o presidente da ViniPortugal à margem da inauguração da nova sala de provas do Porto.
“Tivemos um primeiro semestre muito bom e um último trimestre muito mau”, razão por que o crescimento foi de três por cento, com “uma queda dos vinhos fortificados”, como são os do Porto e da Madeira, e “uma subida dos vinhos de mesa”, especificou Jorge Monteiro.
O mesmo responsável referiu que outros países produtores registaram desempenhos similares, sendo exemplo disso “a África do Sul, que cresceu 4,2 por cento em valor, a Austrália 2,8 e a França 2,4”.
O presidente da ViniPortugal afirma que já há uns anos que o mercado dos vinhos licorosos estagnou, o que tem sido compensado pelo desempenho favorável dos vinhos de mesa.
“Há dois mercados que influenciaram muito estes resultados” dos vinhos portugueses, “Angola, que continua a cair, cerca de 15 por cento em 2018, e a China, que estagnou”, referiu Jorge Monteiro, acrescentando que “Macau e Hong Kong caíram”.
O dirigente disse que “a França teve um comportamento semelhante” ao de Portugal no mercado chinês, tendo registado também um recuo das suas exportações, e “aparentemente o único país que ganhou na China foi a Austrália”.
“Portanto, China, com Macau e Hong Kong e Angola foram os que determinaram este arrefecimento”, reforçou.
Jorge Monteiro concluiu que o vinho português teve “um bom desempenho”, mas abaixo da expectativa. “Ainda assim tomara a nossa economia crescer como estas exportações”, observou, assinalando que “o mercado mundial passa hoje por algumas perturbações”.

Vindima de 2018 “foi curta”

Para este ano, o exercício previsional comporta riscos porque a “conjuntura internacional é de alguma incerteza” e isso exige máxima atenção, avaliou.
“A economia internacional está em arrefecimento, há o Brexit e não sabemos o que se está a passar na China. É muito cedo ainda para fazer previsões”, notou Jorge Monteiro.
Acresce que a “vindima de 2018 foi curta e a produção inferior em 600 mil hectolitros”, pelo que Jorge Monteiro teme “uma menor capacidade de abastecimento do mercado, que poderá obrigar a comprar mais vinho em mercados concorrentes, como Espanha e França, para manter a capacidade de exportação”
A ViniPortugal, enquanto organização interprofissional do vinho de Portugal, agrupando diferentes agentes do setor, executou as ações promocionais do vinho português previstas para 2018 e “muito orientadas para os consumidores” e para 2019 tem “sete milhões de euros” para investir nessa área, de acordo com o seu presidente.
Este ano, referiu, a instituição vai “trabalhar o México e a Dinamarca pela primeira vez” e, porque a distribuição melhorou, apostar mais nos consumidores do que nos profissionais”, o que já acontece no Brasil e irá acontecer nos Estados Unidos, para onde está previsto “um grande evento”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.