Associação Natureza e WWF pedem pacto para o clima

Data:

A Associação Natureza Portugal (ANP), em associação com a WWF, pediu um “pacto nacional de sustentabilidade” assente em objetivos ligados às alterações climáticas, proteção da natureza e desenvolvimento sustentável, e sugeriu um vice-primeiro-ministro para o setor.

A ANP/WWF apresentou hoje o que considera as principais tendências ambientais para este ano, marcado por eleições europeias e legislativas, pelo que propõe aos políticos “um pacto nacional de sustentabilidade – por um Portugal mais seguro, competitivo e responsável”.

Diz a organização, associada em Portugal à internacional World Wide Fund for Nature (WWF), que a estabilidade económica e política, a criação de empregos e a relevância global do país dependerão do investimento no combate às alterações climáticas, de se travar a degradação ambiental e de se investir nos setores sustentáveis da economia azul e verde (uso inteligente de recursos).

O próximo governo deve ter um vice-primeiro-ministro “cujo mandato inclua o combate às alterações climáticas e à degradação ambiental”, sugere a ANP/WWF, que propõe também a criação de um conselho estratégico para as políticas ambientais portuguesas, composto por entidades de várias áreas.

Alertando para o uso insustentável dos recursos do planeta, lembrando que Portugal esgotou em junho de 2018 os recursos que tinha para o ano, a ANP/WWf diz que é preciso agir já.

“O Relatório do Planeta Vivo 2018 da WWF prova inequivocamente o estado de declínio do planeta, destacando a necessidade de parar a perda da biodiversidade com urgência, se quisermos ter alguma esperança de garantir um futuro sustentável para as pessoas, a vida selvagem e os ecossistemas”, afirma-se num comunicado da ANP/WWF, que destaca como positivo de 2018 o aumento da consciencialização e preocupação dos portugueses com o ambiente.

Já para este ano os responsáveis da ANP/WWF preveem um ano “turbulento”, devido ao “Brexit” e a eleições.

Ângela Morgado, diretora-executiva da associação, diz, citada no comunicado, que “a janela de oportunidade” para se tomarem decisões por “um futuro positivo e sustentável está quase a fechar-se”, e que é preciso “um novo acordo para a natureza e as pessoas até 2020”.

E diz ainda a responsável: “Quem escolhemos para nos governar na Europa e em Portugal agora vai decidir como irão viver os portugueses em 2030.”

Por esse motivo a organização propõe o pacto de sustentabilidade, pedindo aos candidatos para que reconheçam que as alterações climáticas e a degradação ambiental são uma ameaça à segurança e competitividade, e que se comprometam com essa matéria.

É preciso, dizem os responsáveis, implementar o Acordo de Paris, criar um acordo que trave e reverta as perdas naturais em todo o mundo, adotar leis que obriguem à divulgação de riscos de alterações climáticas, aprovar um orçamento em que 50% seja dedicado às economias verde e azul, e, entre outras medidas, nomear um vice-primeiro ministro para a Ação Climática e os Recursos Naturais que seja responsável pela transição sustentável em Portugal.

Além das eleições, a ANP/WWF destaca para temas deste ano a diretiva-quadro da água, quadros de financiamento europeu, decisão sobre a barragem de Fridão, a caça à rola, o restauro de paisagens após incêndios, o aeroporto do Montijo e a luta contra os plásticos e os resíduos.

A organização tem em 2019 projetos ligados ao percebe na Berlenga, ao rio Douro, ao montado na área de Montemor-o-Novo e Coruche, ao consumo sustentável de peixe e ao melhor conhecimento dos cavalos-marinhos.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.