A mediatização da bola!…

Data:

Como é fácil de depreender, sobretudo por aquilo que venho escrevendo ao longo de cerca de três décadas, gosto do desporto e, consequentemente, da prática das atividades desportivas. De comentar, ver e praticar, o que faço regularmente. De umas modalidades mais do que de outras, naturalmente.
Gosto do futebol, mas também gosto do voleibol ou dos jogos tradicionais/populares. Aliás, dos jogos tradicionais, dos meus tempos de criança, adolescência e juventude, apesar de, agora, muitos deles estarem em desuso, diria mesmo, em extinção, guardo boa recordação. Ainda me lembro dos tempos em que o tempo livre, em vez de ser gasto no interior de um café ou uma taberna de aldeia, era investido a jogar ao fito, à relha, ao calhau, ao xino, à macaca, à bilharda, etc. Além da dinâmica interativa socializadora que se potenciavam, despertavam o gosto pela cultura, desenvolviam o raciocínio e a despreza física. Os desportos tradicionais davam vida aos meios rurais, onde a televisão era um “luxo” escasso.
Nos tempos que correm, tudo mudou. Os ambientes urbanos de cidade e os hábitos sociais são pouco propícios e motivadores para que isso aconteça e o despovoamento do meio rural não favorece a prática do jogo tradicional.
Não obstante os reflexos da idade, continuo, ainda, a ter alguma ocupação desportiva, a qual não dispenso, pelo menos duas vezes por semana.
Posto isto, fica expresso o meu espírito desportivo e a minha disponibilidade para a promoção da atividade física. Isto para dizer que nada me move contra qualquer modalidade desportiva, mesmo reconhecendo que a mercantilização exacerbada desvirtua a sua verdadeira e genuína filosofia.
Com efeito, à medida que o tempo passa, tudo se tem tornado diferente, vivido de forma demasiado apaixonada e efervescente, levando, inúmeras vezes, a que se protagonizem enormes atentados à dignidade humana e à falta de respeito de muita gente, por outra gente.

Obviamente que, neste contexto, haverá muito para dizer e comentar. Porém, o que, agora, pretendo chamar à atenção é para o que me parecer ser a excessiva mediatização do fenómeno da bola, ou seja do futebol.
Se nos detivermos a refletir um pouco sobre os investimentos no futebol, as desigualdades sociais que potencia e o mediatismo de que beneficia, até pode dar a ideia de que os padrões culturais e educativos de uma sociedade moderna e desenvolvida emergem a partir do mundo da bola. Mas não. Felizmente.
Ora vejamos. Com tantos problemas sociais, económicos, ambientais, culturais, espirituais… que se vivem e sentem no mundo de hoje, que provocam situações de extrema pobreza e de flagelos coletivos, em termos de relações humanas, somos contínua e sistematicamente “bombardeados” com notícias, reportagens, comentários, fofoquices… em que o futebol é o rei. Todos sabemos que se trata do designado “desporto-rei”, mas daí até ocupar tanto espaço e tempo na vida coletiva, vai uma diferença muito grande!…
Para ter uma ideia, basta ver a abertura dos telejornais, dos espaços noticiosos radiofónicos, das páginas dos jornais… das revistas e tentar perceber se o facto de uma ou duas dúzias de homens, que ganham milhões, a darem uns pontapés na bola, por vezes dirigidos por pessoas que nem uma frase completa sabem dizer ou escrever, será merecedor de tanta atenção e contribuirá, na proporção devida, para o desenvolvimento global e equilibrado de qualquer sociedade, sobretudo ao nível educativo e formativo.
Compreendo que o desporto em geral e o futebol em particular deverão ser objeto de atenção e mediatismo, mas, na justa medida!… Haja moralidade e justiça ao nível das prioridades na mediatização!…

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.