2018 marca a recuperação sólida do mercado de escritórios de Lisboa

Data:

O mercado de escritórios de Lisboa terminou 2018 em “nota muito positiva”, apresentando 201.985 metros quadrados (m2) de área bruta locável (ABL), mais 21% na comparação com o ano anterior, segundo dados hoje revelados pela consultora imobiliária Savills.

“Tem-se assistido a uma retoma dos valores de absorção para níveis idênticos aos observados nos anos pré-crise 2007 e 2008, ligeiramente inferiores a 2008, ano em que se verificou a ocupação de 62.000 m2 do Campus de Justiça no Parque das Nações”, refere a consultora em comunicado.

O diretor do Departamento de Escritórios da Savills Portugal, Rodrigo Canas, considerou que se pode afirmar que o ano 2018 teve “um desempenho excecional”, se tiver em linha de consideração “a escassez de oferta nova no mercado de escritórios de Lisboa”, pelo que destaca a dinâmica vivida atualmente e a capacidade de adaptação e resposta célere de proprietários e ocupantes.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.