Guimarães: o berço da Nacionalidade voltado para o futuro

Data:

Guimarães é uma cidade secular, que começou a surgir no século X. Onze séculos depois, soube manter o seu património e cultura seculares a par de uma modernização que a transformou numa cidade tecnologicamente avançada e num dinâmico polo de cultural e universitário.

Na primeira metade do século X, a área que abrange a atual cidade de Guimarães era uma propriedade rural chamada Quintana de Vimaranes.
Foi nesta altura que a Condessa Mumadona Dias, viúva de Hermenegildo Mendes mandou construir o Mosteiro de Santa Maria, que se tornou num pólo de atracção e deu origem à fixação de um grupo populacional.
Para defender o mosteiro dos frequentes ataques dos normandos vindos do norte da Europa e dos muçulmanos vindos das terras quentes do sul, e proteger a localidade que começava a surgir, Mumadona construiu um castelo a pouca distância, na colina, criando assim um segundo ponto de fixação. A ligar os dois núcleos formou-se a Rua de Santa Maria.
Passaram os anos, o burgo cresceu e, no final do século XI, foram para ali residir D. Teresa, filha do rei D. Afonso VI de Leão, e seu marido, o Conde D. Henrique, nobre de origem francesa.
Segundo a tradição, ali nasceu o filho primogénito de ambos, Afonso Henriques, que alguns anos depois, na primeira metade do século XII, se tornaria o primeiro rei de Portugal.
Foi em Guimarães que ocorreu a famosa Batalha de S. Mamede que opôs D. Afonso Henriques à sua mãe, D. Teresa, e que foi um dos factos históricos que leva à independência de Portugal. D. Afonso Henriques faleceu no ano de 1185, com a idade de 76 anos, o que faz dele o rei português com o reinado mais longo.
A vila foi-se expandindo e organizando, sendo então rodeada por uma muralha defensiva. Entretanto as ordens mendicantes instalam-se em Guimarães e ajudam a moldar a fisionomia da cidade. Após o século XV a cidade intramuros já pouco mudou. Foram construídos alguns palácios, conventos e algumas igrejas e surgiu o Largo da Misericórdia (atual Largo João Franco) em finais do século XVII e inícios do XVIII.
Mas, no mais, a sua estrutura não sofreu grande transformação, até ao final do século XIX, com as novas ideias urbanísticas de higiene e simetria. A vila foi elevada a cidade em 1853 pela Rainha D. Maria II, e sofreu, então, a sua maior mudança.
Abriram-se ruas e grandes avenidas e posteriormente a fez-se a parquização da Colina da Fundação e a abertura da Alameda. No entanto, foi uma nova urbanização controlada, que respeitou e permitiu que se mantivesse intacto e magnífico centro histórico de Guimarães.

Guimarães

Património da Humanidade

Considerada como o berço da nacionalidade, por ali ter nascido D. Afonso Henriques (segundo a tradição histórica) e ter sido travada a batalha que ditou a independência do Condado, Guimarães mantém o seu património exemplarmente recuperado e cuidado, a par de uma dinâmica cultural invejável. A cuidada recuperação e regeneração patrimonial realizada levou a UNESCO a reconhecer o Centro Histórico de Guimarães como ‘Património Cultural da Humanidade, em 2001.
A valorização da cultura tem sido um fator de desenvolvimento, por fomentar a criação de uma rede de espaços culturais que tornaram Guimarães uma referência na área da artes e espetáculos a nível nacional e internacional, com a cidade a ser Capital Europeia da Cultura em 2012 e Cidade Europeia do Desporto em 2013.
Por falar em desporto, em Guimarães o futebol é uma componente fundamental. O Vitória de Guimarães é o clube símbolo da cidade e um histórico do futebol português, há 50 anos consecutivos na primeira linha da Superliga Portuguesa.
Guimarães é palco de festas populares, com a maioria a cacontecer no verão, em praticamente todas as suas freguesias. São disso exemplo o S. Pedro de Caldas das Taipas, a Romaria Grande de S. Torcato, o S. Jorge e o S. Brás em Pevidém, as Cruzes de Serzedelo, o S. Tiago em Ronfe, o S. João em Polvoreira.
Mas as festas maiores são as Gualterianas, as Festas da Cidade e decorrem no primeiro fim-de-semana de Agosto. As Nicolinas são as Festas dos estudantes do ensino secundário, mas há muito envolvem toda a cidade, ano após ano, entre 29 de Novembro e 7 de Dezembro.

Um concelho têxtil

Na gastronomia, os principais pratos revelam receitas tradicionais da cozinha minhota e não são muito diferentes dos que se podem encontrar noutras cidades do Minho: arroz de frango de ‘pica no chão’, rojões e bucho recheado, papas de sarrabulho e arroz do mesmo, bacalhau assado ou recheado.
A acompanhar, invariavelmente, o vinho verde da região. A doçaria tradicional vimaranense é composta por doces conventuais, como o toucinho-do-céu e as tortas de Guimarães.
Em termos económicos, a actividade económica dominante é a industria têxtil, setor onde estão representadas 70% das empresas. A indústria metalúrgica também tem destaque, assim como as cutelarias, cujas marcas portuguesas mais conceituadas do sector estão sedeadas no concelho.
A indústria de curtumes que foi a actividade pioneira, no século XIX, mantém-se viva, ainda, em algumas empresas. E na última década, o sector terciário registou um forte desenvolvimento.
“Foram criados muitos gabinetes de consultoria de apoio às empresas, alargou-se a actividade bancária, cresceu a rede escolar, desenvolveu-se muito o turismo. Embora a maioria dos serviços públicos continue a concentrar-se na sede do distrito (Braga), foi alterada a situação de peso residual do sector terciário na actividade económica local”, informa a autarquia no site da câmara na internet.
De lembrar ainda que Guimarães é também uma cidade universitária. A Universidade do Minho (UMinho) tem ali uma ampla implantação, comdois dos seus três campi: Azurém e Couros. É em Guimarães que estão as Escolas de Arquitetura e de Engenharia, parte da Escola de Ciências e o curso de Geografia do Instituto de Ciências Sociais, importantes Unidades Orgânicas de Ensino e Investigação da UMinho.
No centro da cidade, está a estabelecer-se o campus de Couros, onde já decorrem o curso de Teatro, o curso de Design de Produto, no Instituto de Design, e o Centro Avançado de Formação Pós-Graduada, ambos instalados em antigas fábricas de curtumes. O campus de Azurém acolhe ainda algumas unidades participadas pela UMinho, nomeadamente o Centro de Valorização de Resíduos (CVR), o Centro de Computação Gráfica (CCG) e o Polo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP).
Nas Caldas das Taipas, está instalado o AvePark – Parque de Ciência e Tecnologia onde se sediou a SpinPark – Incubadora de Base Tecnológica, que promove e apoia atividades de tecnologia avançada e intensivas de conhecimento, bem como o laboratório associado de investigação 3B’s.

Guimarães

Não deixe de visitar…

Centro Histórico de Guimarães: É Património Mundial desde 2001. Constitui um vestígio único de um tipo particular de concepção de cidade, devido ao seu tecido urbano medieval, que conforma uma sucessão de praças e um tipo particular de construção integralmente erguido com as técnicas construtivas tradicionais, e designados por taipa de rodízio e taipa de fasquio.
Castelo: Os ataques de mouros e normandos levaram a Condessa Mumadona a construir uma fortaleza para defesa dos monges e da comunidade cristã. No século XII, com a formação do Condado Portucalense, foram viver para Guimarães o Conde D.Henrique e D.Teresa que mandam ampliá-lo e torná-lo mais forte.
Diariamente das 10h às 18h (última entrada 17h30). Entrada normal, 2€ / maiores de 65 anos, 1€ (entrada gratúita até os 12 anos). Bilhete Conjunto: Paço dos Duques/Castelo de Guimarães, 6€; Paço dos Duques/Castelo de Guimarães/Museu de Alberto Sampaio, 8€
Paço dos Duques de Bragança: Majestosa casa senhorial do século XV mandada edificar por D. Afonso, futuro Duque de Bragança. A ornamentar o mobiliário há uma grande colecção de porcelanas da Companhia das Índias, e faianças portuguesas das principais fábricas da época. Numa das salas há algumas das armas que foram reunidas pelo segundo Visconde de Pindela, e mais tarde adquiridas pelo estado português, cuja colecção compreende vários exemplares de armas brancas, de fogo e elementos de armaduras dos séculos XV a XIX.
Diariamente das 10h às 18 (última entrada 17h30). Entrada normal, 5€ / maiores de 65 anos, 2,50€. Entrada gratúita até os 12 anos e ainda aos domingos e feriados até às 14h para todos os cidadãos residentes em território nacional.
Parque da Penha: No Monte da Penha, a cerca de sete quilómetros da cidade. O Parque da Penha ergue-se acima dos 500 metros e integra a Reserva Ecológica Nacional, constituindo uma grande área verde da cidade de Guimarães. Está localizado geograficamente a sudeste da cidade de Guimarães e possui uma área natural, com cerca de 50 hectares com uma flora e fauna muito diversificadas, grutas, ermidas, miradouros e percursos pedestres.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.